Com o fim das férias da Páscoa, as aulas à distância voltaram e, se o desafio é complexo para crianças e jovens, muitas vezes não é simples para pais e cuidadores que, enquanto tentam organizar a rotina familiar, são confrontados com a necessidade de apoiar os filhos no processo de aprendizagem. Não será, por isso, raro que em muitas casas do país a ansiedade e a preocupação envolvam as famílias numa charada difícil de resolver.

A pensar nos encarregados de educação mais desanimados ou cansados, a Ordem dos Psicólogos acaba de lançar um guia prático para ajudar as crianças a estudar e a manter a harmonia, o entusiasmo e o foco dentro de portas, em tempos de crise.

Traz algumas recomendações sobre o que é mais importante quando falamos do acompanhamento do estudo das crianças, tem algumas dicas práticas em relação à forma como os pais podem ajudar os seus filhos no processo de organização do estudo, por exemplo a divisão por objetivos, e a organização de tempos para as tarefas", palavras de Sofia Ramalho, a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Organizar as tarefas por ordem de complexidade é importante

A psicóloga destaca que é fundamental que os educadores incentivem as crianças e jovens a começar pelas tarefas mais exigentes, estratégia que vai poupar energia, uma vez que os tempos de concentração no início do estudo são superiores, o que significa que o aluno está mais apto a desenvolver tarefas de maior complexidade.

Feedback é fundamental

Sofia Ramalho chama também a atenção dos educadores, que devem mostrar-se disponíveis para ver e dar retorno aos filhos no final de cada tarefa finalizada.

O papel dos pais neste contexto deve ser um papel de motivação, de envolvimento, de presença, de elogiar o trabalho que as crianças estão a fazer, nomeadamente reforçar o processo do estudo, a forma como organizam o trabalho"

Comunicação com a escola não pode falhar

Igualmente importante é manter a comunicação com os professores das disciplinas e os diretores de turma, uma vez que os docentes também estão mais limitados na forma como avaliam a compreensão e o desenvolvimento da aprendizagem de cada aluno.

Tudo isto exige muito dos pais, e é por isso que temos de respeitar que os pais não são professores, e temos de criar situações que sejam exequíveis por parte das criança e jovens, e por isso precisamos também do apoio por parte das escolas."

Para Sofia Ramalho, os estabelecimentos de ensino têm uma responsabilidade especial perante as famílias, de modo a "ter o cuidado de não transpor para o ensino à distância aquilo que acontecia no ensino presencial, ou seja, não assoberbar as crianças ou os jovens com os tempos de aulas à distância, nem assoberbar as crianças e os jovens com muitos trabalhos após estes horários".

Tempo de lazer também faz parte do processo

Não sobrecarregar os mais novos com trabalho é imprescindível, precisamente porque, entre aulas e tarefas escolares, o trabalho dos pais e as lides domésticas, tem tem de sobrar espaço para o tempo de lazer e para o tempo de descanso, muito importantes para que tudo corra pelo melhor.

Para o sucesso da aprendizagem, a forma como eles se vão organizar, a forma como recebem o apoio emocional dos pais, isso vai promover o sucesso escolar, o sucesso escolar não depende só da concretização prática de atividades da escola."

A Ordem dos Psicólogos destaca que continuar a assegurar a educação das crianças é um desafio extremamente exigente, em tempos particularmente difíceis para pais, filhos e professores, pelo que o esforço merece o aplauso de todos.

Cada de um nós individualmente está a ser uma super-pessoa, porque temos muitas vezes de nos ultrapassar a nós mesmos, quer do ponto de vista emocional, quer do ponto de vista prático do nosso dia-a-dia. Temos de nos ultrapassar a nós mesmos para sabermos lidar com esta situação de crise que implica o isolamento e tantas outras circunstâncias que podem acontecer no seio das famílias. Estamos todos, de alguma forma, a ser heróis."

O guia prático que promete ajudar pais e educadores no apoio ao estudo dos filhos e educandos chama-se "Covid-19, estudar em tempo de pandemia", e está disponível no site da Ordem dos Psicólogos.

Emanuel Monteiro