O presidente da Câmara Municipal de Sardoal, Miguel Borges, acusou hoje positivo ao novo coronavírus e entrou em isolamento profilático domiciliário, a par da sua mulher, também com teste positivo ao SARS-CoV-2, revelou o autarca.

Em termos de saúde estou bem, estou como se tivesse uma pequena gripe", disse à Lusa o autarca de Sardoal, também presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém, tendo referido ter feito "um teste a semana passada que deu negativo" e que "ontem [sexta-feira] estava com alguns sintomas", pelo que decidiu ir ao hospital de Abrantes onde fez análises de despiste ao SARS-CoV-2 e "o teste acabou por resultar positivo, soube esta manhã".

Miguel Borges assegurou continuar a exercer funções a partir de casa e a participar nas reuniões, em regime de teletrabalho", utilizando as novas tecnologias, "se a saúde o permitir e se os sintomas não se agravarem" no período dos próximos dias.

Vou ficar em casa nos próximos 10 dias, com alguns medicamentos para mim e para a minha mulher, que estamos os dois positivos, e esperamos que seja um passar ligeiro, sem consequências de futuro, e é isso que acreditamos porque sou um homem de fé. E tenho fé", afirmou.

Casado e com quatro filhos, o professor social-democrata tem 55 anos e integra os grupos de risco devidos a algumas patologias como a diabetes a hipertensão.

O seu município é um dos que integra a lista de 191 concelhos sob risco elevado de contágio por covid-19. No universo de cerca de 3.750 habitantes com residência em Sardoal, o último boletim epidemiológico do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo indicava na sexta-feira um total de 19 casos de infeção desde o início da pandemia.

Ao início da manhã de hoje, Miguel Borges publicou uma mensagem na sua página nas redes sociais onde deu conta do sucedido.

"Vamos ultrapassar mais esta batalha como outras que temos tido na nossa vida, e de maior dureza", escreveu, tendo assegurado estar "consciente de ter cumprido as normas o mais possível," mas que, "mesmo assim, as coisas podem acontecer e aconteceram".

Portugal contabiliza pelo menos 3.250 mortos associados à covid-19 em 204.664 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de novembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado e municípios vizinhos. A medida abrange 114 concelhos, número que passa a 191 a partir de segunda-feira.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

/ BC