Mais de uma centena de assintomáticos comunicaram ao SNS24 o resultado dos autotestes positivos à covid-19, segundo dados dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

Os testes começaram a ser distribuídos nas farmácias e parafarmácias no dia 2 de abril e, até hoje, “o SNS 24 registou 114 contactos de utentes assintomáticos que comunicaram resultado de autoteste positivo”, adiantou a SPMS em resposta à agência Lusa.

Quando os utentes transmitem um resultado inconclusivo ou positivo é emitida automaticamente uma requisição de teste laboratorial covid-19 (RT-PCR)”, explicam os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

Cerca de 100 mil autotestes à covid-19 já foram distribuídos às farmácias do país, anunciou hoje a ADIFA, uma associação sem fins lucrativos que representa os distribuidores farmacêuticos de serviço completo, que asseguram “várias vezes ao dia, um fornecimento atempado e contínuo das farmácias a nível nacional.

“Na sequência do alargamento da estratégia nacional de testes ao SARS-CoV-2, permitindo a utilização pelos cidadãos de testes rápidos de antigénio ao novo coronavírus (autotestes), os distribuidores farmacêuticos estão empenhados na célere e eficiente disponibilização dos autotestes.

A Associação de Farmácias de Portugal (AFP) adiantou hoje à agência Lusa que a procura de testes rápidos de antigénio de despiste estabilizou nestes estabelecimentos comerciais, depois de um pico acentuado no período da Páscoa.

Segundo a associação, a procura por estes testes rápidos, que estão a ser vendidos a um preço inferior a sete euros a unidade, “estabilizou”, com a AFP a prever que “aumente proporcionalmente à evolução da situação epidemiológica nacional”.

Os testes rápidos de antigénio permitem à população fazer o autoteste à covid-19, na sequência de um regime excecional aprovado pelo Governo.

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) já autorizou a comercialização de dois autotestes em Portugal dos fabricantes “Genrui Biotech Inc” e “SD Biosensor, Inc”, que podem ser vendidos à unidade ou em conjunto de cinco e 25 testes.

As regras constam de uma circular conjunta da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) publicada a 19 de março e que define os critérios de inclusão, operacionalização da utilização e reporte de resultados dos autotestes da covid-19, que só podem ser dispensados a maiores de 18 anos.

Entre 1 de março do ano passado e 7 de abril de 2021 foram realizados em Portugal cerca de 9,4 milhões de testes PCR e testes rápidos de antigénio, quase o número da população portuguesa, segundo dados do INSA.

/ CM