O Algarve terá em 2020 o primeiro voo intercontinental durante a época alta, a sair de Faro para Toronto, no Canadá, com voos semanais entre janeiro e outubro, num reforço da aposta neste mercado americano, foi hoje anunciado.

Esta é uma extensão de uma rota já existente, mas apenas operada semanalmente entre 15 janeiro e de 28 abril, passando a incluir o período do verão, com mais 29 frequências entre 08 maio e o final de outubro, afirmou à Lusa fonte da Associação Turismo do Algarve (ATA).

Os voos operados pela companhia aérea canadiana Air Transat têm partida de Toronto à terça-feira durante o período de inverno, passando, no verão, a serem operados à sexta-feira, com regresso de Faro no próprio dia.

Em comunicado, a ATA afirma que esta é uma mais valia para o Algarve e “o resultado dos esforços promocionais que o Turismo do Algarve e o Turismo de Portugal têm vindo a empreender junto do mercado canadiano e do Aeroporto de Faro”, destacando que em Toronto existem voos de ligação para Vancouver e Montreal, o que “permite potenciar a amplitude e o alcance desta rota”.

A Associação acrescenta que o potencial deste mercado e da rota a levou a participar em inúmeras ações de promoção do destino no Canadá e desenvolvido várias campanhas de 'marketing', em parceria com a Air Transat e com o operador turístico Transat Vacances, para divulgação da região.

A nova rota vai assegurar 11 frequências com um Airbus A330 e 18 frequências com o novo Airbus A321LR, “tendo este sido um dos fatores decisivos que permitiu viabilizar a extensão da ligação”, afirma a ATA.

O Canadá é um dos mercados em crescimento no Algarve, tendo registado, em 2018, um aumento de 25,7% no número de hóspedes e de 20,3% nas dormidas (alcançando um total próximo das 254 mil dormidas).

Este ano, os números continuam a ser positivos, sendo possível contabilizar até agosto um crescimento de 12,3% no numero de hóspedes e de 12,5% no número de dormidas (totalizando aproximadamente 214 mil dormidas).

A ATA destaca que durante a sua visita ao Algarve, os turistas canadianos costumam “permanecer em estadias longas”, razão pela qual este mercado começou a ganhar uma relevância acrescida, contribuindo de forma significativa “para atenuar a sazonalidade do turismo na região”.