Onze das 60 albufeiras monitorizadas em Portugal continental tinham em setembro reservas superiores a 80% do volume total e outras tantas estavam abaixo de 40%, segundo o Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

No último dia do mês de setembro e comparativamente ao último dia do mês anterior verificou-se uma descida no volume armazenado em todas as bacias hidrográficas monitorizadas, de acordo com dados divulgados hoje pelo SNIRH.

Das 60 albufeiras monitorizadas, 11 apresentavam disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e 11 tinham disponibilidades inferiores a 40%.

A bacia do Guadiana era a que apresentava no final de setembro maior disponibilidade de água (77,5%), seguida do Tejo (66,8%), Douro (63,3%), Mondego (61,8%), Cávado (61,6%), Mira (61%), Arade 60%, Barlavento (58,9%), Ave (53%), Oeste (52%), e Sado (44,7%).

A bacia do Lima tinha o número mais baixo no final de setembro (35,5%).

Os armazenamentos de setembro de 2018 por bacia hidrográfica apresentam-se superiores às médias de setembro (1990/91 a 2016/17), exceto para as bacias do Lima, Mondego, Mira e Ribeiras do Oeste.

A cada bacia hidrográfica pode corresponder a mais do que uma albufeira.