A Câmara de Leiria construiu um muro de quase dois metros de altura num bairro social onde vivem maioritariamente pessoas de etnia cigana. Os habitantes estão descontentes e sentem-se como se estivessem numa “prisão”.

Estamos muito zangados com a altura e com as proporções que o muro tem. (…) É como se estivéssemos numa prisão. A gente sente-se como se estivesse no campo de Auschwitz”, afirmou uma morada à reportagem da TVI.

No Bairro da Integração vivem 47 pessoas, em 18 habitações. A autarquia investiu mais de 500 mil euros em obras de requalificação das habitações.

Só que com estas obras veio também um muro de betão armado, de quase dois metros de altura.

O muro tem causado outros problemas: veio roubar espaço à estrada e lugares de estacionamento.

Um carro de bombeiros não passa ali”, explica um morador à equipa de reportagem da TVI, enquanto aponta para uma zona de uma curva onde a passagem ficou muito estreita por causa do muro.

A câmara justifica a sua construção com a necessidade de “definir os limites do terreno com os terrenos adjacentes” e diz que o muro pode ser “muito útil para defender os moradores do perigo dos incêndios”.