O homem suspeito de balear outro no interior de um comboio na estação de Rio de Mouro, no concelho de Sintra, ficou em prisão preventiva, anunciou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Numa nota publicada na página da internet, a PGDL indica que o suspeito “ficou fortemente indiciado” pela prática de um crime de homicídio na forma tentada, depois de presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

No essencial, e segundo os fortes indícios recolhidos, no dia 06 de junho de 2019, o arguido, no interior de um comboio, que se encontrava na estação de Rio de Mouro, envolveu-se em discussão com a vítima, tendo efetuado dois disparos com uma arma de fogo na direção deste, atingindo-o no pescoço e na nuca, tendo, em seguida, fugido do local”, refere a PGDL.

A nota sublinha que a vítima “apenas não veio a falecer por facto independente da vontade do arguido, uma vez, que, por mero acaso e imprecisão na pontaria do mesmo, aquele só foi atingido superficialmente”.

O arguido ficou sujeito à medida de coação mais gravosa por se verificarem “os perigos de continuação da atividade criminosa" e perturbação da "tranquilidade e ordem pública”.

A investigação prossegue sob a direção da 4ª Secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Sintra com a colaboração da Polícia Judiciária.

Em 6 de junho, fontes da PSP e do Instituto Nacional de Emergência Médica disseram à agência Lusa que um jovem, de 22 anos, foi baleado nesse dia na estação de comboios de Rio de Mouro, em Sintra.

Fonte oficial do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP acrescentou que o crime foi cometido no interior de um comboio e que foi a vítima a dirigir-se aos agentes que estavam em policiamento na estação para dar conta do ocorrido.

O ofendido foi depois levado para o Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.