A Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) promoveu, esta quarta-feira, uma ação de recolha de beatas pelas ruas da cidade de Vila Real, para sensibilizar para este “grave problema de poluição”.

A iniciativa anunciada, esta terça-feira, pela AAUTAD, em comunicado, foi em conjunto com a Câmara de Vila Real, a PSP, a GNR e a Rede Biataki, uma iniciativa de sensibilização ambiental que também comercializa várias soluções de cinzeiros.

A AAUTAD explicou que, com este desafio, pretendeu sensibilizar “a comunidade estudantil e vila-realense para este grave problema de poluição, que agora já é punido por lei, mas que só prevê a aplicação de coimas a quem atirar as beatas para o chão a partir do próximo ano”.

As pontas de cigarros, charutos ou outros cigarros contendo produtos de tabaco passaram a ser equiparadas a resíduos sólidos urbanos, sendo por isso proibido o seu “descarte em espaço público”.

A lei que aprovou medidas para recolha e tratamento dos resíduos de tabaco e que pune com coimas entre 25 e 250 euros quem atirar beatas para a via pública foi publicada no dia 03 de setembro, em Diário da República.

A nova lei já entrou em vigor, mas prevê um “período transitório de um ano a contar da data da entrada em vigor” para adaptação à lei.

A Associação Académica citou dados da Organização Mundial da Saúde e referiu que, em Portugal, “20% da população é fumadora, estimando-se que a cada minuto sejam descartadas cerca de sete mil beatas”.

A AAUTAD justificou “que faz parte da sua missão incrementar políticas de cidadania ativa, envolvendo os estudantes em atividades de índole social e viradas para a comunidade onde estão inseridos”.

O ponto de encontro da iniciativa foi a praça do município de Vila Real, de onde os participantes se espalharam pelas ruas da cidade a recolher as beatas.