Cinco bombeiros ficaram feridos, dois em estado grave, no incêndio que lavra nesta segunda-feira em Castro Verde, disse à TVI fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Beja e dos bombeiros.

Os dois bombeiros com ferimentos graves sofreram queimaduras e foram transportados de helicóptero para os hospitais de Santa Maria e São José (o caso mais crítico), em Lisboa, indicou o comandante dos Bombeiros Voluntários de Castro Verde, Vítor Silva, à TVI.

Estes dois operacionais pertencem à corporação de Cuba e um deles terá sofrido queimaduras em quase todo o corpo.

Um terceiro bombeiro, da corporação do Alvito, foi transportado para o Serviço de Urgência Básica do Centro de Saúde de Castro Verde, enquanto os restantes dois, um da corporação de Ferreira do Alentejo e outro da corporação de Castro Verde, sofreram ferimentos ligeiros e foram ambos assistidos no local.

Há, ainda, a suspeita de um civil desaparecido, que, segundo a fonte do CDOS, será um pastor, mas esta é uma informação que as autoridades ainda tentam confirmar.

O trânsito na estrada nacional 123 está cortado na zona de Castro Verde devido a este incêndio que mobiliza mais de 160 operacionais e 60 veículos, numa altura em que os meios aéreos já não estão a operar devido ao cair da noite (chegaram a estar três). A Estrada Nacional 2 já reabriu, bem como o IP 2. 

O alerta para o fogo de "grandes dimensões" foi dado às 17:07, tendo deflagrado em Lagoa de Mó, perto de Casével.

Segundo, ainda, Vítor Silva continua a lavrar com uma frente ativa e com "o vento a dificultar o combate".

Não há habitações em perigo.

Amílcar Matos Rafaela Laja Catarina Machado / notícia atualizada às 23:36