O Benfica vai processar a ex-eurodeputada socialista Ana Gomes, devido às suspeitas levantadas em relação à transferência de João Félix.

Em causa está um comentário de Ana Gomes no Twitter, em que sugeriu que a transferência de João Félix para o Atlético de Madrid por 126 milhões de euros estaria ligada a lavagem de dinheiro.

A frase foi escrita em 27 de junho, em resposta a um tweet de um jornalista português, que se interrogava sobre a transferência de avançado internacional português.

“Um jogador de futebol com apenas 19 anos, que jogou meia época num campeonato de terceira categoria, e que aí se revelou, é vendido por 120 milhões de euros, naquela que é a quarta maior transferência de sempre. Ainda não li uma explicação racional, e fundamentada, para isto”, comentou.

Ana Gomes reagiu, deixando uma interrogação.

Já depois de ter oficializado o negócio com o Atlético de Madrid, o Benfica manifestou a intenção de processar Ana Gomes, explicando que a ex-eurodeputada conotou a venda “com uma operação de lavagem de dinheiro/branqueamento de capitais”.

"No passado dia 27 de junho de 2019, através de um comentário publicado na rede social Twitter, a Dr.ª Ana Gomes, ex-eurodeputada, objetivamente conotou a venda do atleta do Sport Lisboa e Benfica, João Félix, com uma operação de lavagem de dinheiro/branqueamento de capitais. A sua declaração foi objeto de significativa repercussão na imprensa nacional e estrangeira, gerando enorme indignação no Sport Lisboa e Benfica, nos membros dos seus órgãos sociais, sócios e adeptos", escreve o Benfica em comunicado divulgado no seu site.

Para o clube da Luz, as declarações da deputada socialista ultrapassam os limites da liberdade de expressão e visam apenas denegrir o Benfica, motivo pelo qual decidiram processar Ana Gomes.

O Sport Lisboa e Benfica considera que a declaração em causa não configura um caso de mero exercício da liberdade de expressão e que, pelo contrário, tem o exclusivo propósito de denegrir o nome do Benfica e dos membros dos seus órgãos sociais. Tem por isso o dever, perante os seus sócios e adeptos, de solicitar, desta vez, a apreciação desta questão pelos órgãos constitucionalmente competentes para o efeito, os Tribunais, o que fará pela instauração de um processo através dos seus advogados."

Na terça-feira, Ana Gomes enviou uma carta várias instâncias portuguesas e europeias, em que pede a investigação de eventuais crimes de fraude, evasão fiscal e branqueamento de capitais cometidos através de transferências de jogadores de futebol, com base em documentos divulgados pela plataforma digital Football Leaks e por Rui Pinto.

Ana Gomes tem sido uma defensora de Rui Pinto, hacker colaborador do Football Leaks, que está detido por alegado acesso ilegal e divulgação de documentos do Sporting e do fundo de investimento Doyen e cujo nome tem sido associado a divulgação de e-mails do Benfica.