A Escola Básica Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles, em Lisboa, está encerrada desde as 23:00 de quinta-feira devido à retirada de telhas com amianto de casas circundantes, o que constitui um perigo para a saúde pública.

Em declarações à agência Lusa, a encarregada de educação Isabel Cunha informou esta sexta-feira que o diretor do Agrupamento de Escolas de Benfica, Manuel Esperança, anunciou o fecho do estabelecimento de ensino até ao dia 27 de janeiro.

Ontem às 23:00 saiu um comunicado do diretor do agrupamento a dizer que a escola iria ficar encerrada hoje e na segunda-feira”, referiu Isabel Cunha, acrescentando que as crianças estão em contacto com amianto e com pragas de mosquitos.

De acordo com a encarregada de educação, que esteve numa ação de sensibilização junto à escola, há crianças com febre e borbulhas devido às picadas dos mosquitos desde 17 de janeiro, quando se iniciaram as obras.

Estamos a zelar pela saúde das nossas crianças”, salientou, reforçando que as “crianças não estão protegidas”.

Isabel Cunha referiu que o estabelecimento de ensino iria ser demolido em dezembro passado e que as crianças seriam colocadas em contentores, mas a demolição nunca aconteceu até agora.

Não há previsão para tal. O que nos foi dito é que era para ter sido em dezembro, depois passou para as férias de Carnaval. Mas já não será nas férias de Carnaval, será nas férias da Páscoa. E já me chegou o comunicado que só para setembro”, indicou.

Enquanto várias mães estavam concentradas à porta da escola, decorria uma reunião com representantes dos pais, da Câmara Municipal de Lisboa, da Junta de Freguesia de Benfica e com o diretor do Agrupamento de Escolas.

Segundo a representante dos pais, Liliana Pais, a reunião não foi consensual, pelo que a escola continuará encerrada na segunda-feira.

A Câmara Municipal vai pôr uma vedação à volta da escola. Vão continuar com a demolição das casas. Continuámos na mesma situação”, explicou Liliana Pais.

A representante falava à agência Lusa após uma reunião na Escola Básica Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles, sublinhando que deram “a palavra de que os meninos estão em segurança”,

Porém, isso não corresponde à verdade e há ordens para abrir o estabelecimento na terça-feira, segundo os pais.

Os pais não vão deixar [abrir a escola]. Há crianças no hospital mordidas por mosquitos venenosos”, contou a representante, informando que os encarregados de educação vão fechar os portões às 09:00 de terça-feira.

/ AG