O incêndio, que deflagrou na tarde de quarta-feira em Sobral de São Miguel, concelho da Covilhã, foi dado como dominado às 04:14 desta sexta-feira, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

Às 04:30 continuavam no terreno 252 operacionais, auxiliados por 83 viaturas, de acordo com a site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

O incêndio deflagrou na quarta-feira, às 14:43, numa zona de povoamento florestal junto à freguesia de Sobral de São Miguel, classificada como Aldeia de Xisto, e a proximidade à localidade causou preocupação.

Cerca das 07:30 de quinta-feira chegou a ser dado como dominado e os meios mantiveram o trabalho no terreno ao longo de todo o dia.

Às 17:45 do mesmo dia ficou novamente ativo, fruto de várias "reativações difíceis de controlar", disse, na altura, o comandante operacional distrital Francisco Peraboa.

Já o incêndio que deflagrou na tarde de quinta-feira em Vila Verde da Raia, concelho de Chaves, foi dado como dominado hoje às 07:00, indicou o 2.º Comandante Operacional Distrital (CODIS) de Vila Real.

A última das três frentes ativas foi dominada já ao início da manhã, com recurso "a máquinas de rasto e fogo de supressão", informou Borges Machado.

"Foi feito um combate intenso durante a noite, com todos os operacionais empenhados para ter o fogo dominado ao início da manhã, para aproveitar as janelas de oportunidade, uma vez que não havia vento", acrescentou.

As operações "de consolidação e rescaldo" vão continuar durante o dia e o responsável teme reacendimentos, por causa do calor: "É muito provável que isso aconteça".

No terreno continuam cerca de 245 operacionais, apoiados por 45 veículos, segundo a mesma fonte.

O incêndio teve "quatro ignições com algum afastamento entre elas", segundo disse na quinta-feira o presidente da Câmara de Chaves, Nuno Vaz, tendo progredido em direção às localidades de Vila Frade, Santo António de Monforte, Mairos, Travancas, Argemil da Raia e Paradela de Monforte.

O fogo chegou a estar "paredes meias com muitas habitações" e o autarca estimou que tenham ardido "centenas de hectares", sobretudo de mato e pinhal, ainda sem poder precisar a área afetada.

Foram também atingidos alguns anexos, armazéns agrícolas e instalações de animais, segundo Nuno Vaz.

Cinco bombeiros ficaram com ferimentos ligeiros durante o combate ao incêndio, mas já se encontram em casa.

Um dos operacionais sofreu queimaduras de segundo e terreiro grau, outro sofreu uma queda e três sofreram inalação de fumos.

/ CM