João Rendeiro mudou de advogados durante a fuga à Justiça, passando a ser representado por Abel Marques, Joana M. Fonseca e Joana Cunha de Almeida, segundo a procuração assinada pelo próprio, a que a TVI teve acesso.

No documento que foi entregue no tribunal, com data de 6 de outubro, o ex-banqueiro indicou uma morada: a mansão da Quinta Patino, em Alcoitão.

Isto já vários dias depois de ter saído do país, primeiro para Londres e depois para fora da Europa, tendo entretanto admitido que não tenciona regressar, para cumprir pena de prisão.

Carlos do Paulo, no entanto, continua também a representar João Rendeiro.

A 29 de setembro, um dia depois da TVI noticiar a fuga de Rendeiro, Carlos do Paulo garantiu não saber do paradeiro do seu cliente e defendeu que o antigo homem forte do BPP saiu “em liberdade” do país e é “um homem livre”.

O na altura advogado do ex-banqueiro afirmou que, para sua proteção e a de Rendeiro, podia contactar e falar com o então cliente, mas não tinha de saber onde estava, pois assim teria de informar a justiça sobre a localização.

Eu não sei onde está João Rendeiro nem quero saber. A minha função é esclarecer o cliente dentro da lei”, afirmou, na altura, em entrevista à TVI.

 

Henrique Machado