O navio patrulha Zaire da Marinha portuguesa, em missão de capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe, socorreu, entre sábado e domingo, um navio à deriva entre as duas principais ilhas daquele arquipélago.

Segundo um comunicado do Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), "aos primeiros alvores de hoje, foi iniciada a operação de reboque para a ilha de São Tomé, tendo esta operação decorrido sem intercorrências, regressando os dois navios ao porto em segurança".

O navio português, atualmente operado por uma guarnição mista, constituída por militares portugueses e santomenses, prossegue a sua missão de capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe, ilustrando a importância da cooperação bilateral entre estes dois países lusófonos, contribuindo, através de um esforço conjunto, para a segurança marítima na região", refere o EMGFA.

De acordo com a nota divulgada, o navio socorrido, o rebocador Bonsai, com pavilhão do Panamá, "efetuava o trânsito entre a ilha do Príncipe e a ilha de São Tomé" e fez um pedido de ajuda à Guarda Costeira "por se encontrar à deriva devido a uma avaria na máquina principal, a 40 milhas náuticas a norte de São Tomé, com quatro tripulantes a bordo".

O navio patrulha Zaire da Marinha portuguesa largou da Baía Ana Chaves, em São Tomé, pelas 16:00 horas locais (17:00 em Lisboa) de sábado para lhe prestar auxílio, "tendo chegado junto do rebocador ao início da noite e estabelecido contacto, verificando o estado de saúde dos tripulantes e a natureza da avaria".

Após inspeção e auxílio da equipa técnica ao navio à deriva, constatou-se a impossibilidade de reparação e, consequentemente, o regresso ao porto por meios próprios", lê-se no comunicado divulgado.

Antes da operação de reboque para a ilha de São Tomé, efetuada este domingo, "o navio patrulha da Marinha portuguesa proporcionou alimentação e segurança aos tripulantes da embarcação, tendo-a acompanhado durante toda a noite".

/ JGR