Uma derrocada na Levada do Caldeirão Verde, na Madeira, terá provocado 11 feridos, de acordo com o último balanço feito na Conferência de Imprensa da Proteção Civil. A queda de pedras atingiu os caminhantes num momento em que estavam a descansar.

O balanço anterior, realizado por fonte do Governo Regional da Madeira, apontava para, pelo menos, seis feridos.

De acordo com o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira, José Dias, as vítimas foram assistidas no local e, posteriormente, transportadas para o Hospital Central do Funchal e para o Centro de Saúde de Santana. Do total, duas ficaram em estado grave, uma com um traumatismo craniano e uma outra que foi amputada a uma mão. 

Segundo o último balanço da Proteção Civil, entre as vítimas estão seis franceses, dois portugueses, dois alemães e um brasileiro. Os feridos graves são um cidadão francês e um português. 

Deste grupo de turistas, há registo de um elemento que saiu ileso e que conseguiu dar o alerta aos meios de socorro. 

Não tivemos nenhuma morte, nem ninguém soterrado", disse, por seu lado, o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, que indicou que as duas pessoas transportadas para o Hospital do Funchal encontram-se em estado de "gravidade elevada".

O secretário regional adiantou que a doente com uma lesão mais grave, nomeadamente a amputação de um membro superior, foi encaminhada para o Bloco Operatório do Hospital do Funchal e que a outra vítima atingida também com gravidade, designadamente um traumatismo crânio encefálico seguiu para a Unidade de Cuidados Intensivos.

O secretário regional do Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, salientou, por seu lado, que a orografia da Madeira predispõe-se a acidentes desta natureza.

Qualquer atividade ao ar livre incorpora um risco, aquele trilho é recomendado e foi intervencionado já este ano, teve varandins novos, pisos melhorados, este tipo de circunstâncias é imprevisível e nada tem a ver com aquilo que, nós, o homem, pode dominar sobre a situação", observou.

A Levada do Caldeirão Verde tem 6,5 quilómetros e um percurso acidentado. O trilho, a uma altitude de 990 metros, tem início no Parque Florestal das Queimadas, concelho de Santana, e é um dos mais frequentados por turistas. 

O alerta para a derrocada foi recebido às 13:57 e que para o local foram acionados vários meios de socorro, entre eles 19 viaturas, apoiadas por 70 operacionais - da EMIR, Bombeiros Voluntários de Santana, Municipais de Machico, Voluntários Madeirenses, GNR, Polícia Florestal - e ainda um meio aéreo. 

Foi montado um hospital de campanha perto da zona do incidente, sendo que os feridos foram depois transportados numa ambulância todo-o-terreno para o sítio do Vale da Lapa, na freguesia da Ilha, no concelho de Santana, onde é feito o transbordo para ambulâncias ligeiras.

A derrocada ocorreu por volta das 14:00 junto à lagoa do Caldeirão Verde.

Mário Gouveia / BC/CE - notícia atualizada às 21:46