A Guarda Nacional Republicana (GNR) detetou 200 infrações, das quais 164 relacionadas com campismo e autocaravanismo ilegais, no período entre 26 e 31 de agosto, no Parque Natural do Sudoeste Alentejo e Costa Vicentina, foi anunciado esta terça-feira.

No total foram detetadas 200 infrações, 164 resultantes de campismo selvagem e de autocaravanismo e estacionamento ilegal em locais não permitidos e 36 por incumprimento do regulamento de sinalização de trânsito, especificou a GNR em comunicado.

A operação decorreu nos concelhos algarvios de Aljezur e de Vila do Bispo - com especial incidência no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina -, locais habitualmente frequentados por centenas de autocaravanistas ao longo de todo o ano.

Segundo a GNR, a fiscalização realizada com o apoio da Direção Regional da Conservação da Natureza e das Florestas do Algarve e da Polícia Marítima, pretendeu “mitigar atividades de campismo selvagem e caravanismo ilegal”.

O campismo e caravanismo selvagem é um problema identificado e que constitui um fator de destruição de habitats, alguns deles protegidos, além de representar uma ocupação ilegal da qual resulta uma degradação dos locais utilizados por deposição descontrolada de resíduos que se espalham pelos locais ocupados indevidamente”, lê-se no documento.

Numa outra operação realizada em 21 de agosto naqueles dois concelhos do Algarve, as forças de segurança detetaram 122 infrações, 97 das quais por campismo selvagem, autocaravanismo e estacionamento ilegal e 25 por incumprimento de sinalização rodoviária.

Nos dias 22 e 23 de agosto, numa operação no concelho algarvio de Lagoa, a GNR registou um total de 73 infrações, 54 das quais por campismo selvagem, autocaravanismo e estacionamento ilegal e 19 por incumprimento do regulamento da sinalização de trânsito.

Mais de 60 infrações em Setúbal

O Comando Territorial de Setúbal da GNR detetou 63 infrações numa ação de fiscalização ao campismo e caravanismo ilegal realizada na segunda-feira na orla costeira do distrito.

Na operação de fiscalização, em que participaram militares de Almada, Setúbal, Grândola e Santiago do Cacém, bem como dos Destacamentos de Trânsito e Intervenção e dos Núcleos de Proteção Ambiental, foram registadas 58 infrações por caravanismo fora dos locais autorizados, puníveis com coima de 150 a 200 euros.

Foram também detetadas cinco infrações por estacionamento indevido nas praias, dunas e arribas, que são puníveis com coimas até 2.500 euros.

Em comunicado, a GNR refere que o campismo e caravanismo ilegal constituem fatores de “destruição de habitats, alguns deles protegidos”, e pode provocar a degradação dos locais utilizados, devido à “deposição descontrolada de resíduos”.

O comunicado do Comando Territorial de Setúbal da GNR salienta ainda que, no atual contexto da pandemia de covid-19, é fundamental o cumprimento das regras relativas à circulação nos acessos às praias e respeitar o distanciamento físico recomendado pelas autoridades de saúde.

/ AG