O Cardeal Patriarca de Lisboa recorre aos textos sagrados para pedir um olhar atento sobre a realidade, sobretudo sobre os que são mais esquecidos.

Para D. Manuel Clemente o Natal é tempo de responsabilidade acrescida, mas também de solidariedade concreta.

Temos de olhar para esta maneira de Deus acontecer como a maneira de nós próprios acontecermos uns para os outros, também divinamente, não com imposição, mas com presença, não com a requisição, mas com serviço”, disse o clérigo.

O Cardeal Patriarca de Lisboa pede para não nos afastarmos de Deus, e “vê-lo onde ele quer estar” na vida de todos e de cada um.

Para o representante da igreja católica é importante olharmos à nossa volta e sobretudo para aqueles que normalmente negligenciamos diariamente. “Aí teremos um verdadeiro culto no sentido cristão da palavra porque ai encontramos o próprio Deus”.

Em alusão às escrituras bíblicas, que dão conta do nascimento de Jesus numa manjedoura, D. Manuel Clemente desafia à reflexão sobre as inúmeras pessoas que não têm, também elas, abrigo nesta e nas restantes noite do ano.

Gostaria muito que todos nós, como sociedade, além mesmo das fronteiras definidas da crença, tínhamos uma aplicação muito especial a resolver este problema para que, de Natal em Natal, sejam menos aqueles que têm de nascer numa manjedoura por não terem lugar numa hospedaria”, disse o cardeal apelando a cada português para “fazer desta preocupação em arranjar casa digna para todos os habitantes do nosso território”.

Verónica Ferreira