O peditório de rua nacional da Cáritas Portuguesa arranca esta quinta-feira e, dada a época de crise económica, a instituição apela à generosidade dos portugueses, sublinhando que não param de aumentar os pedidos de ajuda que recebe, escreve a Lusa.

«Estamos em tempos difíceis, de crise e desemprego, e é urgente que os cidadãos tenham consciência de que é necessário apostarmos na partilha dos bens entre a sociedade», segundo Eugénio Fonseca, presidente da associação.

Pedidos de ajuda aumentam

Nas Cáritas Diocesanas, distribuídas pelo Continente e Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, «têm aumentado significativamente os pedidos de ajuda da classe média/baixa, de famílias que, de súbito, ficam no desemprego, fruto da crise que não cessa», segundo informa o presidente.

No ano passado, o peditório angariou cerca de 252 mil euros, mas a associação espera que este ano, dada a conjuntura nacional, os cidadãos tenham uma maior disponibilidade para contribuir.

A Cáritas Portuguesa é uma instituição oficial da Conferência Episcopal, destinada à promoção e dinamização da acção social da Igreja Católica, procurando ajudar os que são «atingidos por qualquer forma de exclusão ou emergência, sem olhar a crenças, culturas, etnias ou origem».