Uma das vítimas da Casa Pia e testemunha considerada particularmente vulnerável no processo foi abordada há duas semanas com ameaças veladas.

Em entrevista à jornalista Felícia Cabrita, do jornal «Sol», esta vítima não tem dúvidas que a intenção era que desmentisse tudo o que tinha dito em tribunal e mudasse a história. O casapiano identificou a pessoa que fez o contacto como sendo o mesmo jornalista que fez a entrevista e publicou a nova versão do processo de Carlos Silvino.

Pedro Namora, ex-casapiano, denuncia abordagem a duas vítimas através de mensagens escritas pelo Facebook e até com telefonemas para o local de trabalho.

Carlos Silvino, que agora se declara inocente de todos os crimes ilibando também os restantes arguidos, foi em 2006 ao Santuário de Fátima numa viagem enquanto peregrino para agradecer o fim da prisão preventiva e pedir perdão pelos abusos cometidos.

Detido em Novembro de 2002, três anos depois Carlos Silvino era libertado por ter excedido o prazo de prisão preventiva. «Bibi» aproveitou a graça da justiça para, em 2006, se deslocar ao santuário de Fátima com a mãe adoptiva para agradecer a liberdade, mas também para pedir perdão às vítimas da casa pia pelos abusos praticados.

As imagens são divulgadas pelo site do jornal «Sol» e mostram o antigo motorista da Casa Pia a chegar ao santuário sob escolta policial¿

Carlos Silvino, que em tribunal confessou centenas, de crimes acabou condenado em Setembro do ano passado por 167 crimes que lhe valeram uma pena de 18 anos de prisão efectiva.