O advogado de defesa de Carlos Cruz anunciou esta segunda-feira que vai requerer a audição de Carlos Silvino na fase de recurso do processo Casa Pia, na sequência da entrevista do ex-motorista da instituição em que disse ter mentido em tribunal, noticia a Lusa.

Em entrevista à «Focus» - realizada por um jornalista da revista, co-autor de um livro sobre Carlos Cruz e o processo Casa Pia, juntamente com a ex-mulher do apresentador de televisão, e de que a SIC esta noite passou excertos em vídeo -, Carlos Silvino, principal arguido neste caso, diz que mentiu em tribunal e que não conhecia os outros arguidos.

Reacção de Catalina Pestana: «Uma encenação patética com um mau encenador e um autor de texto pouco inteligente»

Contactado pela agência Lusa, o advogado de defesa de Carlos Cruz, Ricardo Sá Fernandes, considera que as declarações de Silvino, condenado a 18 anos de prisão no âmbito do processo Casa Pia, são «um facto novo» e, portanto, pretende juntar a entrevista ao processo, agora em fase de recurso no Tribunal da Relação de Lisboa.

Carlos Cruz foi condenado «com base em declarações do senhor Carlos Silvino» e, portanto, «não é possível continuar a sustentar» a sua condenação em alguém que «agora diz o contrário do que disse em julgamento», sustenta Ricardo Sá Fernandes.

Questionado pela Lusa sobre o facto de a condenação de Carlos Cruz não assentar apenas em Carlos Silvino, o advogado respondeu: «Pois, mas dizem que são as declarações dessa pessoa que corroboram as outras. E agora o que fica, o que corrobora as declarações dos rapazes? Os rapazes vão falar. Não tenha dúvidas de que a partir do momento em que as pessoas perceberem como foram usadas vão todas falar.»

A condenação «assenta em coisa nenhuma, assenta em pó», considera Ricardo Sá Fernandes, que diz não ter ficado «nada surpreendido» com as declarações de Carlos Silvino e estar «convencido que vai haver nos próximos tempos mais declarações e agora de jovens» da Casa Pia, testemunhas no processo.

O julgamento do processo Casa Pia relativo a abusos sexuais de menores da instituição terminou, ao fim de quase seis anos, com um acórdão que condenou seis dos sete arguidos a penas de prisão e ao pagamento de indemnizações.

Carlos Cruz foi condenado a sete anos de prisão, igual pena foi aplicada ao médico João Ferreira Diniz, o embaixador Jorge Ritto foi condenado a seis anos e oito meses, Hugo Marçal a seis anos e dois meses, Carlos Silvino foi condenado 18 anos de prisão e Manuel Abrantes, ex-provedor adjunto da Casa Pia, a cinco anos e nove meses. Gertrudes Nunes, dona da casa de Elvas, foi absolvida do crime de lenocínio.

Catalina Pestana: desmentido de «Bibi» é uma «uma encenação patética»

Pedro Namora diz que revelações de Bibi são «irrealistas»
Redação