Centenas de pessoas concentraram-se, este sábado, no Largo do Intendente, em Lisboa, reivindicando habitação acessível a todos e contra a especulação imobiliária.

A concetração “pretende acabar a situação de os jovens não conseguem sair de casa dos seus pais”, que não conseguem arranjar um quarto para alugar, disse à Lusa Rita Silva, da Associação Habita, um dos 49 grupos que convocaram a manifestação.

Criada em 2012, a Associação Habita tem trabalhado com famílias que estão a ser despejadas das suas casas, mas também com quem não consegue encontrar a primeiro habitação, explicou.

A habitação não pode ser um privilégio, a habitação é um direito” e “A casa a quem a habita” são dois dos slogans que se leem nos inúmeros cartazes dos manifestantes que exigem do Governo novas regras que regulem as rendas e que acabem com a especulação imibiliária.

Segundo Rita Silva, atualmente o problema da habitação não se limita ao centro da cidade e já chegou à periferia da capital, onde vivem famílias que estão a ser “despejadas de forma cruel e bárbara”.

A manifestação partiu cerca das 16:00 do Largo do Intendente em direção à Ribeiura das Naus.

Número de manifestantes inferior ao esperado no Porto

A manifestação realizada no Porto para reivindicar o direito à habitação e contra a especulação imobiliária reuniu algumas dezenas de moradores, mas um número inferior ao que era esperado.

Temos de estar unidos, eu não estou numa situação de despejo, mas estou aqui em solidariedade com os que estão. Uma manifestação como esta deveria reunir mais pessoas, vejo com tristeza tão pouca gente aqui para um problema tão grande que afeta tanto o Porto”, disse, aos microfones, Jorge Coelho.

Este participante, que já foi autarca na junta de freguesia de São Nicolau, apelou aos participantes para que “não baixem os braços” .

É com grande tristeza que, depois de 44 anos do 25 Abril, ainda seja preciso estar aqui a reivindicar os nossos direitos fundamentais e que fazem parte da Constituição da República. Eu não sou contra o turismo, mas o turismo está a prejudicar o Porto e os seus moradores. Estão a expulsar as pessoas do centro histórico, a expulsar as pedras vivas que somos nós, que aqui nascemos e aqui fomos criados e não queremos sair daqui”, acrescentou.

À semelhança do que aconteceu em Lisboa, a manifestação do Porto foi organizada por um conjunto alargado e diverso de associações e coletivos que veem “os problemas da habitação e das nossas cidades agravarem-se com o processo de especulação generalizada e com a privatização de espaços públicos e socioculturais”.

Paula Magalhães, da Assembleia de Moradores do Porto, em declarações à Lusa, deixou uma mensagem e um apelo ao presidente da autarquia, Rui Moreira.

A mensagem que queremos deixar é não abandonar o Porto, não deixar o Porto sem as suas raízes, as suas tradições, sem o povo que faz o Porto”, disse, lembrando que “não são as pessoas que vêm para aqui cinco dias por ano, um mês que seja, que fazem as nossas tradições”.

 

Eu estou numa situação de despejo, não quero sair da baixa, é o único sítio onde sei viver e que conheço. Isto já não é o centro histórico, as pessoas já não vem para o centro histórico, vêm para o Porto, a marca que quiseram vender. Isto não é uma marca, é uma cidade com história e com um povo incrível”, acrescentou Paula Magalhães, que disse ter nascido no número 194 da Rua dos Caldeireiros.

A iniciativa realizada em Lisboa e no Porto junta organizações como a SOS Racismo, a Academia Cidadã, a APPA – Associação do Património e População de Alfama, a Assembleia Feminista de Lisboa, a Associação de Moradores e Moradoras do Centro Histórico do Porto e a Associação Terapêutica do Ruído, entre muitas outras.

Setembro, um mês de luta

Setembro é anunciado como mês de ação e luta pela habitação, estando previstas outras iniciativas destinadas a “discutir, denunciar, questionar e desafiar o modelo de desenvolvimento capitalista” que transforma a cidade “num gigantesco negócio”, subordinando-a “às leis de mercado” e excluindo os habitantes, defendem.

Saímos à rua para lutar pelas nossas vidas, pelos nossos bairros, lugares e comunidades. Lutamos por uma vida digna e reclamamos o direito à construção coletiva dos espaços em que vivemos”, afirmam no manifesto associado à iniciativa.

União de Mulheres Alternativa e Resposta, Casa da Achada, Centro de Cultura Libertária, Coração Alfacinha, Disgraça, Gaia, Habita, Moradores do Bairro 6 de Maio, Morar em Lisboa, Mulheres na Arquitetura, Panteras Rosa e Stop Despejos estão entre os subscritores.

As políticas atuais não resolvem o problema da habitação. Exigimos habitação digna para toda a gente”, frisam.