“As detidas selecionavam criteriosamente as suas vítimas, de preferência idosas e com capacidades motoras fragilizadas e, através de cartões de identificação falsos da companhia EDP, alegavam que tinham necessidade de aceder ao interior das residências para verificar o estado da instalação elétrica. Uma vez no interior, provocavam uma distração às vítimas e aproveitavam para furtar valores monetários ou artigos em ouro”, explica o Cometlis, em comunicado.