Seis pessoas, três homens e três mulheres, foram detidas na manhã desta quarta-feira na sequência de uma operação da Polícia Judiciária de Lisboa, a operação "Good Girls", para a captura de suspeitos de assaltos violentos à mão armada. Os assaltos violentos terão sido liderados por uma das mulheres detidas.

A Polícia Judiciária, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo, procedeu à detenção de três homens e três mulheres, de idades compreendidas entre os 17 e os 49 anos, fortemente indiciados pela prática, em coautoria, de vários crimes de roubo cometidos com arma de fogo", diz a PJ em comunicado.

A ação decorreu em dois bairros considerados problemáticos: na Quinta da Fonte, na Apelação, em Loures e no Bairro da Cruz Vermelha, em Cascais.

Estiveram mais de 50 inspetores da PJ no terreno, numa ação repartida entre os dois bairros considerados problemáticos. A Polícia Judiciária procedeu a buscas domiciliárias nos concelhos de Cascais e Loures, onde efetuou as detenções dos suspeitos e apreendeu algumas centenas de doses de estupefacientes, nomeadamente cocaína e haxixe.

Diz ainda a PJ que estas detenções estão relacionadas com acontecimentos que começaram em 2018.

Os factos ocorreram entre 2018 e a atualidade, em vários concelhos da área metropolitana de Lisboa, tendo os presumíveis autores assaltado postos de abastecimento de combustíveis, farmácias e um estabelecimento de massagens, apoderando-se de dinheiro e outros bens de valor".

Os inspetores seguiram com mandados de detenção e mandados para dez buscas domiciliárias, emitidos pelo Ministério Público.

A operação tem por objetivo levar à justiça suspeitos de assaltos violentos cometidos com armas de fogo, crimes que são da competência exclusiva da PJ, mas também pretende ter um efeito de prevenção geral, através da apreensão de armas utilizáveis em roubos ou homicídios, retirando-as assim do mercado negro.

O efeito surpresa desta ação, coordenada para avançar logo às 7:00  foi essencial para o sucesso da mesma.

Os detidos serão presentes a primeiro interrogatório judicial, no qual serão sujeitos à aplicação das medidas de coação processual adequadas.