A Ordem dos Advogados fez queixa do juiz Rui Rangel ao Ministério Público na sequência da acusação de que o magistrado é alvo na Operação Lex.

Segundo o comunicado assinado pelo bastonário Luís Menezes Leitão, cabe à Ordem “zelar pela função social, dignidade e prestígio da profissão de advogado”.

É por isso dever dos seus órgãos actuar neste domínio, reagindo sempre que ocorra qualquer situação que possa afectar a nossa profissão", acrescenta.

A Ordem dos Advogados refere que os atos de que Rui Rangel é suspeito indiciam a prática de "atos próprios da profissão de advogado por parte de um senhor juiz desembargador".

Luís Menezes Leitão ressalva ainda que vão ser averiguados todos os atos dos advogados visados na acusação da Operação Lex, como é o caso de José Santos Martins, jurista que o Ministério Público acredita que funcionou como testa de ferro de Rui Rangel.

A Operação Lex conta com 17 acusados e, além dos dois juízes desembargadores (Rui Rangel e Luís Vaz das Neves), está também a magistrada Fátima Galante, o presidente do Benfica, Luis Filipe Vieira, dois advogados, um oficial de justiça e o empresário ligado ao futebol José Veiga.

Redação