Um homem de 33 anos foi detido na sexta-feira por crime de violência doméstica, no concelho de Trofa, revelou a Guarda Nacional Republicana (GNR) hoje em comunicado.

O detido tinha antecedentes criminais pelo mesmo tipo de crime, tendo sido condenado no ano passado a pena de dois anos e oito meses de prisão, suspensa por três anos, e a penas acessórias de proibição de contactar e se aproximar da vítima, sua mulher, de 32 anos.

A execução destas medidas, que eram controladas por pulseira eletrónica, não foi "nunca" respeitada, segundo a GNR, continuando o homem a ameaçar a vítima, e todos aqueles que desta se aproximassem, utilizando para o efeito as filhas de ambos, com 4 e 9 anos de idade, que declararam temer a morte da mãe.

Estando a decorrer novo processo crime, no qual se encontra indiciado dos crimes de violência doméstica agravada, maus tratos e violação de proibições, o suspeito, na passada quarta-feira, numa conferência de pais, para alteração das responsabilidades parentais, não concordou com as medidas apresentadas.

Segundo o comunicado da GNR, o suspeito injuriou e ameaçou os presentes na conferência de pais, entre os quais a vítima, a juíza e a procuradora, e abandou as instalações do tribunal para parte incerta.

E, em ato contínuo, cortado a pulseira eletrónica, passando, desta forma, a ser indiciado do crime de perturbação de funcionamento de órgão constitucional", lê-se no comunicado.

Na sequência dos acontecimentos, a GNR cumpriu o mandado de detenção e o detido foi presente ao Tribunal de Instrução Criminal de Matosinhos, onde lhe foi aplicada a medida de coação de prisão preventiva.