O chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), general José Pinheiro, disse hoje que sente «apreensão» nos militares do seu ramo devido às medidas de austeridade anunciadas e ao efeito das que estão já em vigor, noticia a Lusa.

Em declarações à agência Lusa após uma audição na Comissão Parlamentar de Defesa sobre a manifestação que as associações de militares têm convocada para o próximo sábado, o CEMFA recusou comentar se esta «faz sentido ou nã e invocou apenas a necessidade de que «seja cumprida a lei». «E toda a gente sabe qual é a lei», acrescentou.

O chefe militar disse no entanto que sente «apreensão» nos militares da Força Aérea devido à conjuntura actual e ao cenário de austeridade prolongada que se perspectiva.

«Sinto apreensão, mas também uma grande vontade e espírito de missão que leva a que as pessoas cumpram o que têm de fazer, que é a nossa grande preocupação», resumiu.

As associações sócio-profissionais de militares têm marcada para dia 12 de Novembro uma manifestação nacional em Lisboa, protestando contra as «medidas duríssimas» apresentadas pelo Governo na proposta de Orçamento.

A 22 de Outubro, as associações promoveram no ISCTE um Encontro Nacional, tendo posteriormente entregado uma moção na residência oficial do primeiro-ministro, onde se encontraram com o seu assessor militar, general Carlos Chaves.
Redação