O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), Silva Ribeiro, considerou hoje que o furto de Tancos foi “muito grave e inadmissível”, mas apelou para que as pessoas “não confundam o Exército com Tancos”.

“Não é aceitável que qualquer pessoa possa entrar numa instalação militar e roubar armas ou munições ou outro tipo de artefactos. Tendo-se isso verificado, agora é um problema da justiça averiguar quem é que cometeu aquele assalto”, disse, em entrevista à agência Lusa.

O almirante António Silva Ribeiro contou que à altura, no cargo de Chefe do Estado-Maior da Armada, estava no estrangeiro e soube do ocorrido pelo então ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, que lhe telefonou.

Um ano e meio após o furto, que classificou como “muito grave e inadmissível”, o almirante Silva Ribeiro manifestou-se preocupado com a ideia de que “pessoas confundam o Exército com Tancos”.

“Tancos foi um acidente inaceitável mas as Forças Armadas e o Exército não são Tancos”, disse, admitindo que houve sinais de quebra de confiança dos cidadãos em relação às Forças Armadas na sequência do furto.

“Nós não podemos de forma alguém encarar o problema de Tancos como uma questão global no Exército e nas Forças Armadas. Se queremos perceber o que é o Exército e as Forças Armadas olhemos para a República Centro Africana, cumprem missões com grande patriotismo, com grande coragem”, exemplificou.

O CEMGFA considerou ainda “absolutamente injusto” algumas críticas que disse estarem a ser dirigidas ao Exército, recusando “rótulos” como falta de transparência ou opacidade em relação àquele ramo militar e às Forças Armadas em geral.

“É absolutamente injusto algumas coisas que eu tenho ouvido acerca do nosso querido Exército, que é feito de homens e de mulheres extraordinárias que têm um brio, um orgulho em servir o país e fazem-no com competência e relevância, esse tipo de apreciações injustíssimas que são feitas ao Exército devem ser refutadas pelos cidadãos, isso não é merecedor de qualquer credibilidade”, considerou.

António Silva Ribeiro destacou que hoje as Forças Armadas estão “perfeitamente inseridas no regime democrático e há, da parte dos chefes militares uma profunda lealdade para com os decisores políticos”, defendeu.