O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução.

A presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, que integra o São José, disse que tem mais de 30 pessoas que já tiveram alta clínica a ocupar camas nos hospitais, sendo casos sociais, que necessitaram de apoio familiar ou de um lar, por exemplo.

A estes acrescem mais de 30 outras camas de pessoas que aguardam uma vaga na rede de cuidados continuados integrados.

Em média, temos entre 70 a 80 camas indevidamente ocupadas”, indicou Rosa Valente Matos.

Dos 31 casos sociais a ocupar camas no Centro Hospitalar, a responsável destacou a situação de uma pessoa que teve alta clínica há 265 dias sem que tenha sido possível encontrar uma solução.

É o caso social mais antigo, que não conseguimos resolver”, lamentou, indicando que se trata de um utente que não tem família e precisa de uma resposta de acolhimento, como um lar.

Rosa Valente Matos sublinhou que há um largo conjunto de pessoas “que não tem respostas ao nível da família”.

Temos de trabalhar em rede, com as câmaras, com as juntas de freguesia, com as paróquias e criar uma rede de suporte e de apoio para estas pessoas. São este tipo de situações que precisamos de resolver e de encontrar resposta. A sociedade não está preparada para dar essa reposta e temos de a encontrar. É preciso agregar várias entidades”, afirmou.

A administradora refere que diariamente os profissionais do Centro Hospitalar vão resolvendo casos sociais na medida do que é possível, conseguindo pelo menos que o número de pessoas nesta situação não aumente.

Há ainda depois as camas “indevidamente ocupadas” por doentes que estão a aguardar uma vaga na rede de cuidados continuados integrados, que esperam muitas vezes dois, três ou mais meses”.

Temos os casos sociais e estes casos. E não são só pessoas idosas. Há também pessoas mais jovens, na casa dos 40 ou 50 anos”, contou à Lusa.

Segundo o último Barómetro dos Internamentos Sociais da Associação dos Administradores Hospitalares, divulgado em meados deste ano, há cerca de mil camas todos os dias ocupadas por internamentos sociais nos hospitais públicos, sendo casos de pessoas já com alta clínica e que não precisariam de estar internadas.

 

Novo Hospital de Lisboa “tem mesmo de ser uma realidade”

O futuro Hospital de Lisboa Oriental “tem mesmo de ser uma realidade” porque a estrutura do São José e dos Capuchos já não aguenta muito mais tempo e a nova unidade trará ainda um aumento de produção.

Em entrevista à agência Lusa, a presidente do Centro Hospitalar Lisboa Central, que será substituído pela nova unidade, estima que o futuro Hospital de Lisboa Oriental leve a um aumento de produção de pelo menos 25% em relação ao que atualmente fazem as seis unidades de saúde que vão ser substituídas.

Rosa Valente Matos sublinha que o Lisboa Oriental “tem mesmo de ser uma realidade”, sob pena de terem de se encontrar alternativas.

O Hospital dos Capuchos não aguenta muito mais tempo, não tem capacidade em termos de infraestrutura para aguentar muito tempo, uns três ou quatro anos, no máximo”, sublinha a responsável.

Também o Hospital de São José “não aguenta muitos mais anos”, sendo que as instalações e estruturas estão velhas, muitas vezes degradadas e necessitariam de obras profundas.

É impossível fazer grandes obras no São José ou nos Capuchos. Vamos fazendo pequenas obras, porque tem de haver condições mínimas de trabalho. Mas os portugueses não iam perceber se gastássemos uns milhões em São José ou nos Capuchos. Uma coisa é tratar, recuperar, tornar os espaços agradáveis para profissionais e doentes. Outra coisa é fazer grandes obras que ninguém compreenderia”, argumenta Rosa Valente Matos.

Uma das obras em curso em São José é a recuperação e reformulação da urgência, obra que deverá estar concluída durante o mês de janeiro e que representou um investimento de 1,2 milhões de euros, decorrendo sem que o serviço de urgência fosse interrompido.

Rosa Valente Matos calcula que dentro de quatro ou cinco anos as unidades do Lisboa Central possam estar no novo hospital, estimando que a produção e a gestão dos profissionais melhorem com a futura unidade.

É uma estrutura com seis hospitais. Temos três urgências a funcionar: São José, Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa. Imagine-se tudo isto concentrado. Em termos de produção, aumentaria no mínimo 25%. Até a gestão de recursos humanos seria diferente” defende.

Oito empresas chegaram a apresentar já propostas no concurso público internacional para a construção e manutenção do futuro Hospital de Lisboa Oriental.

O concurso público internacional em curso visa a conceção e construção do Hospital de Lisboa Oriental, em regime de Parceria Público-Privada nesta parte da construção e não na gestão clínica.

A instalar em Marvila numa área de 180.000 m2, o novo hospital poderá estar construído em 2023 e terá uma capacidade mínima de 875 camas. O hospital vai representar para o operador privado um investimento de cerca de 330 milhões de euros e, para o Estado, estima-se uma renda anual que poderá rondar os 16 milhões de euros durante 27 anos do contrato.

/ HCL