O Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga aconselhou esta sexta-feira os utentes que necessitem de atendimento urgente a dirigirem-se aos centros de saúde e referiu que não há aumento significativo de episódios de gripe, mas casos de maior gravidade.

“Neste momento o que nós sentimos é que há algum acréscimo de procura, que não é muito significativo, mas o que está a acontecer é uma maior complexidade e gravidade dos doentes, que acorrem ao nosso serviço de urgência”, disse Miguel Paiva, o presidente do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga (CHEDV), sediado em Santa Maria da Feira, no norte do distrito de Aveiro.

O reponsável pelo CHEDV destacou que a rede de cuidados de saúde primários na região tem uma cobertura a 100%, com médico de família, e dispõe diariamente de consultas não programadas para casos urgentes.

“Estando isso a acontecer, é importante para nós transmitir que os utentes que têm necessidade de recorrer a atendimento urgente, o façam preferencialmente nos centros de saúde”, afirmou.

Aquele responsável salientou que “os doentes referenciados, que vão primeiro aos centros de saúde, no caso de ser necessário irem à urgência do Hospital, têm prioridade e estão isentos de taxa moderadora”.

Miguel Paiva falava durante uma conferência de imprensa conjunta do Centro Hospitalar e do Agrupamento de Centros de Saúde, referindo que têm estado a ser implementadas as medidas do Plano de Contingência previsto para o surto de gripe.

“Nesta região, estamos a oferecer uma resposta integrada e de efetiva articulação entre as unidades de cuidados na região, seja dos cuidados primários, seja dos cuidados hospitalares” disse.

Miguel Paiva assegurou que “nesta altura as unidades do centro hospitalar e agrupamento dos centros de saúde têm vindo a implementar o que está previsto no Plano de Contingência, à medida que são sentidas as necessidades”.

De acordo com o responsável pelo Centro Hospitalar, as medidas decorrem de um planeamento preparado por todas as instituições.

Redação / AR