Uma antiga funcionária da agência da Caixa Geral de Depósito (CGD) no Crato, no distrito de Portalegre, vai ser julgada por suspeita de ter desviado quantias monetárias de clientes idosos, informou o Ministério Público.

Em comunicado publicado na página da Internet da Procuradoria da Comarca de Portalegre, o Ministério Público (MP) indicou que já requereu o julgamento da arguida, que está acusada da prática dos crimes de peculato e falsificação.

Fontes judiciais indicaram à agência Lusa que a mulher tem 38 anos e que trabalhou nas agências da CGD do Crato e de Fronteira, também no distrito de Portalegre, tendo já saído do banco público.

Segundo o MP, a arguida, no exercício das suas funções, “emitiu inúmeros recibos de levantamento em nome de clientes da CGD e sobre as contas de depósito à ordem e de poupança da titularidade destes, apondo as assinaturas dos respetivos clientes sem a sua solicitação, conhecimento ou autorização”.

Depois, acrescentou, a arguida “munida de tais documentos forjados, procedeu ao levantamento em numerário das correspondentes quantias monetárias que tinha aposto nos aludidos recibos de levantamento, apropriando-se destas”.

/ AM