O presidente da Câmara de Chaves disse que “estranhamente” o incêndio que deflagrou hoje em Vila Verde da Raia, teve “três a quatro focos iniciais” o que leva a suspeitar de uma “ação criminosa”.

O fogo, que deflagrou pelas 13:30, foi arrastado pelo vento forte ameaçou e sobretudo de três aldeias: Vila Verde da Raia, Santo Antonio de Monforte e Vila Frade, aldeias na linha de fronteira com Espanha, lavrando em direção a Travancas e Mairos.

Nuno Vaz fez um ponto de situação aos jornalistas e referiu que, “estranhamente, teve três ou quatro focos iniciais” pelo que tudo “leva a suspeitar que terá sido uma ação criminosa”.

O combate está sobretudo centrado na defesa e proteção das habitações. O comando tem mobilizado recursos e meios no sentido de garantir que as vidas humanas e as habitações destas populações não são afetadas. Tem sido aí o foco principal”, salientou.

Segundo referiu, um bombeiro ficou ferido com queimaduras, após um acidente durante o combate, e contabilizam-se ainda estragos em armazéns agrícolas e barracões.

As preocupações, de acordo com o presidente, estão também centradas na possibilidade de ocorrer uma “tempestade seca”, o que significa que “muito calor com uma intensidade de ventos” pode “pôr em causa a operacionalidade dos meios”.

A situação, neste momento, inspira muitos cuidados”, frisou.

Porque o fogo está na zona de fronteira, o autarca disse que tem havido “comunicações entre os comandos” no sentido de que possam ser mobilizados também meios da Galiza.

Em Vila Frade, os populares juntaram-se e mangueiras, baldes, ramos e sachos combateram as chamas que entraram pelas propriedades agrícolas, como pomares, vinhas e hortas.

Na aldeia, a agência Lusa constatou que o calor intenso, o vento forte e o fumo intenso prejudicaram a ação dos populares que já conseguiram respirar de alívio quando chegou uma equipa de bombeiros e os aviões fizeram uma descarga de água.

Para este fogo foram mobilizados 224 operacionais, 69 viaturas e nove meios aéreos. Foram também acionadas máquinas de rastos.

/ BC - atualizada às 19:25