A Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda não emitiu um alerta internacional relacionado com uma nova estirpe de coronavírus, que teve origem na cidade chinesa de Wuhan, mas vários países já começam a tomar medidas de precaução.

Uma equipa de reportagem da TVI deslocou-se esta quinta-feira até ao aeroporto de Lisboa, onde chegaram alguns turistas chineses.

Segundo os visitantes, em nenhuma das fases do controlo alfandegário houve um inquérito ou uma análise relativamente ao seu estado de saúde, algo que foi feito quando deixaram os aeroportos chineses.

Mediram-nos a febre para despistar algum tipo de febre, caso contrário não nos tinham deixado viajar", contou um dos turistas.

Questionada pela TVI, a ANA Aeroportos refere que o controlo é da responsabilidade da Direção-Geral de Saúde (DGS). Este organismo afirma estar a seguir o protocolo da OMS, que recomenda que o rastreio seja feito, para já, apenas nos aeroportos chineses.

Portugal já fez acionar os dispositivos de saúde pública devido ao coronavírus proveniente da China e tem em alerta o Hospital de São João, no Porto, o Curry Cabral e Estefânia, em Lisboa, disse esta quarta-feira a diretora-geral de Saúde.

No terminal de chegadas de Lisboa estava Lim, uma cidadã chinesa que está a estudar em Portugal. Enquanto esperava pelos pais, revelou que a população na China está preocupada.

Na China estão muito preocupados com este vírus", afirmou. 

Um casal de turistas de Xangai chegou a Lisboa via Hong Kong. Para eles, utilizar uma máscara já se tornou um hábito, e também o vão fazer durante a estadia em Portugal. 

[O coronavírus] tem-se espalhado muito mais do que estávamos à espera", confessou um dos turistas.

Esta pneumonia viral já fez 18 mortos. A OMS adiou para esta quinta-feira a decisão de declarar este vírus como uma emergência global de saúde pública. A última vítima mortal acabou por ser confirmada esta quinta-feira, depois de ter sido diagnosticada a presença do vírus. O homem, de 80 anos, morreu esta quarta-feira na região de Hubei.