As análises feitas aos portugueses repatriados da cidade de Wuhan, onde começou o contágio, deram negativo. De salvaguardar que estes resultados podem mudar nos próximos 14 dias, ou seja, durante o período de incubação do coronavírus. Por essa razão, vão manter-se em quarentena. 

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informa que os testes laboratoriais realizados pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) foram todos negativos", lê-se no comunicado da DGS.

O grupo de 20 cidadãos, entre os quais estão dois diplomatas portugueses em serviço na China e duas cidadãs brasileiras, que esperou quatro dias para ser retirado da China, está internado no Hospital Pulido Valente e o Parque da Saúde de Lisboa.

Os cidadãos vão continuar a ser acompanhados por dois médicos da Sanidade Internacional, que vão garantir a vigilância ativa duas vezes por dia", lê-se na mesma nota.

O C-130 da Força Aérea Portuguesa que transportou os portugueses desde a base militar de Istres, sul da cidade francesa de Marselha, aterrou no domingo na Base Aérea de Figo Maduro à hora prevista por volta das 20:30. 

A China elevou, esta segunda-feira, para 362 o número de mortes provocadas pelo coronavírus, depois de 56 pessoas terem morrido na China e uma nas Filipinas. O número de infetados já ultrapassou os 14.000.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais casos de infeção confirmados em 24 outros países, com as novas notificações na Rússia, Suécia e Espanha.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional (PHEIC, na sigla inglesa) por causa do surto do novo coronavírus na China.