A TVI teve acesso exclusivo a várias imagens dos 500 quilos de cocaína que estavam escondidos em várias partes do avião onde João Loureiro, advogado e ex-presidente do Boavista, iria viajar de Salvador para Portugal.

Na segunda-feira foi noticiado que o jurista faz parte de um grupo de cinco suspeitos da polícia brasileira na investigação. Por essa razão, a Polícia Federal pediu informações à Polícia Judiciária (PJ) portuguesa sobre o património e as contas do ex-presidente do Boavista. Em causa estarão suspeitas de lavagem de dinheiro relacionadas com o tráfico de droga.

VEJA TAMBÉM:

Um dos responsáveis pela investigação garantiu que João Loureiro é presença assídua no Brasil e disse que as autoridades estão a analisar as ligações entre os vários passageiros e tripulantes do voo.

Na semana passada, a Polícia Federal brasileira apreendeu meia tonelada de cocaína escondida num avião particular que pretendia voar de Salvador para Portugal após o piloto da aeronave comunicar problemas nos comandos de voo da aeronave.

Um grupo de mecânicos foi até ao avião verificar o problema e descobriu parte da droga, tendo dado conta da ocorrência à Polícia Federal.

A droga tinha sido dividida em embalagens com indicação de marcas desportivas famosas.

Embora não tenha produção própria de cocaína, o Brasil é um importante intermediário nas rotas de embarque para a Europa da droga produzida nos países andinos.

Henrique Machado