A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta sexta-feira a detenção de 25 membros de um grupo internacional dedicado à criminalidade altamente organizada, ligada ao tráfico de estupefacientes por via aérea.

Denominada «Hermes», a operação desencadeada pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) permitiu desmantelar um grupo criminoso sediado em Lisboa, inserido numa organização mais alargada dirigida a partir da América Latina e da região Ocidental de África.

A investigação permitiu comprovar ligações a vários grupos que operavam na maioria das capitais europeias. O entreposto distribuidor da cocaína na América Latina era suportado por infraestrutura implantada em São Paulo, no Brasil.

O grupo recrutava correios humanos, geralmente cidadãos nacionais, que se deslocavam ao Brasil para receberem a droga e a transportarem para Portugal e outros países, a troco de contrapartidas financeiras.

«A utilização de rotas complexas nas deslocações dos correios [humanos] fazia parte da estratégia do grupo para perturbação de controlos policiais ou aduaneiros, com a finalidade de mitigar o risco de deteção do produto estupefaciente», explica a PJ em comunicado.

Os suspeitos transportavam a cocaína no interior e no exterior do corpo (bodypackage e cintas), no interior de malas de viagem, em componentes mecânicos de automóvel e impregnada em artigos de vestuário.

A investigação teve início em dezembro de 2010 e durou cerca de um ano. Durante esse tempo foram apreendidos cerca de 42 quilogramas de cocaína e três de anfetaminas, quantidades que corresponderiam, respetivamente, a 210.000 e 30.000 doses individuais diárias.

Nesse período, foram detidos quinze correios humanos (cinco em Portugal, três em Espanha, dois no Brasil, um em França, um na Suíça, um na Bolívia, um no Peru e um no Japão) que transportavam quantidades de cocaína, entre os 50 gramas e os seis quilogramas.

Recentemente, foram detidos mais dez indivíduos que desempenhavam funções de maior relevo na estrutura do grupo - oito na região da Grande Lisboa e dois em Zurique, na Suíça, todos indiciados pela prática dos crimes de tráfico de estupefacientes e de associação criminosa.

Os 25 detidos foram presentes às autoridades judiciárias em Portugal e no estrangeiro, as quais decretaram a prisão preventiva para 21 dos arguidos, prisão domiciliária para um dos suspeitos e apresentações diárias e proibição de contactos aos restantes dois envolvidos.

Os últimos seis suspeitos detidos em Portugal foram esta semana presentes no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa - 1.ª Secção para aplicação das medidas de coação.

A PJ adianta que as ações policiais foram desenvolvidas em coordenação com a Interpol e da Europol.
Redação / CLC