Os 19 presidentes do Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra declararam "apoio total à manutenção dos serviços do Hospital dos Covões" e pediram ao Governo que trave o "esvaziamento" desta unidade.

"O Hospital dos Covões tem uma importância enorme para a população da Região de Coimbra, bem como para os profissionais que lá trabalham", refere José Carlos Alexandrino, presidente da CIM Região de Coimbra, cujo Conselho Intermunicipal reuniu na terça-feira, em Oliveira do Hospital.

Os autarcas estão contra o eventual encerramento ou redução do horário do Serviço de Urgências do Hospital dos Covões, que nos últimos anos tem perdido diversos serviços.

Esta posição é igual à que foi divulgada pela Câmara Municipal de Coimbra, que destaca "a importância estratégica" do Hospital dos Covões para a CIM Região de Coimbra, "reforçada pela demonstração de qualidade e resiliência desta infraestrutura e dos seus profissionais" durante a pandemia da covid-19.

"O Hospital dos Covões deve continuar com o serviço de urgência aberta 24 horas por dia, com as diversas especialidades médicas, mantendo desta forma dois hospitais de excelência na Região: Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) e o Hospital dos Covões", argumenta a CIM.

José Carlos Alexandrino, presidente da CIM Região de Coimbra, apela mesmo ao Governo "que intervenha e ponha termo a uma situação que prejudicará muitos portugueses".

O CHUC serve uma população superior a 2,2 milhões de utentes, sendo constituído por "dois hospitais de adultos" (polo HUC e polo Hospital Geral dos Covões), um Hospital Pediátrico e duas maternidades (Maternidade Daniel de Matos e Maternidade Bissaya Barreto).

. / AM