A «maior fusão» de hospitais em Portugal, que reúne as várias instituições de Coimbra, estará «concluída no final do ano», anunciou o presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Martins Nunes.

O CHUC foi oficializado em Diário da República a 2 de março de 2011 e resulta da fusão dos Hospitais da Universidade de Coimbra, do Centro Hospitalar de Coimbra e do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Coimbra.

«Temos praticamente toda a fusão feita. Trata-se da maior fusão alguma vez feita em Portugal, um processo complexo, mas que tem corrido bem, com ganhos para os doentes e para o Serviço Nacional de Saúde», disse Martins Nunes à agência Lusa, neste domingo.

O antigo secretário de Estado com a tutela da Saúde explicou que a fusão está «praticamente no fim» e que, no final do ano, o processo estará concluído.

«O objetivo nunca foi fundir por fundir, mas sim fundir para uma maior eficiência, com melhoria para os doentes e para a criação de vários centros de excelência. Houve uma fusão, sim, mas com ganhos para os doentes, maior eficiência e com ganhos financeiros», reforçou.

Martins Nunes adiantou que o exemplo da «fusão noturna das urgências» [agora exclusivas nos antigos Hospitais da Universidade de Coimbra] e do centro de trauma de nível 1, «único em Portugal com todas as valências¿, são exemplos concretos do «sucesso» da fusão hospitalar em Coimbra.
Redação / CM