Os quase 800 alunos da Escola Secundária Severim de Faria, em Évora, ficaram hoje sem aulas, devido a uma inundação no edifício provocada por uma rutura no sistema de uma caldeira, revelou fonte do estabelecimento.

“Quando chegámos esta manhã, os tetos falsos estavam caídos e os espaços comuns, como refeitório, bar, papelaria, salas de aula e corredores, estavam inundados”, disse o vice-presidente da Comissão Administrativa Provisória (CAP) da escola, Joaquim Serra, em declarações à agência Lusa.

Segundo o responsável, por não existirem “condições de segurança” para a realização das atividades letivas, os alunos “não chegaram a entrar” no edifício e “foram enviados para casa”.

“Julgamos que a inundação foi provocada por uma rutura no filtro ou na tubagem da caldeira, que se encontra nos pisos superiores” do edifício da escola, apontou.

Joaquim Serra notou que alguns espaços ficaram inundados “de uma forma considerável”, pois, “deve ter estado durante, o fim de semana, a deitar água”.

“Não é nada de gravidade, não põe em risco o edifício, nem pôs em risco as pessoas”, ressalvou.

Os danos vão agora ser avaliados e a escola está “a acionar os mecanismos para resolver o mais rapidamente possível a situação”, para “retomar as aulas”, afirmou.

O vice-presidente da CAP da Escola Severim de Faria sublinhou que ainda não é certo o regresso das aulas na terça-feira, admitindo que está a ser equacionado o recurso ao ‘online’, ou seja, ao ensino à distância, durante “os próximos dias”.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora indicou à Lusa que o alerta para a inundação nesta escola foi dado aos bombeiros às 09:35.

As operações de socorro mobilizaram os Bombeiros de Évora e da PSP, num total de cinco operacionais, apoiados por três veículos.

Agência Lusa / HCL