Museus, monumentos e galerias de arte já estão abertos. Cinemas, teatros e outras salas de espetáculos reabrem na segunda-feira. Ainda que alguns festivais de música e outros grandes eventos tenham sido adiados, já é possível organizar uma agenda bem recheada. Aqui ficam algumas sugestões:

1. “Deixem o Pimba em Paz”

O espetáculo em que Bruno Nogueira, Manuela Azevedo Filipe Melo, Nuno Rafael e Nelson Cascais reinterpretam canções do repertório “pimba” é um caso sério de popularidade desde que se estreou em 2013. De “Mãe Querida” a “Os Peitos da Cabritinha” passando pela “Garagem da Vizinha”, “Não és Homem Para Mim” ou “Taras e Manias”, são muitos os temas que ganham nova roupagem. O humor é garantido mas, surpreendam-se, é a música que vale mesmo a pena neste espetáculo.

O "Pimba" vai estar a 29 de abril no Coliseu do Porto e no dia 30 de abril no Coliseu de Lisboa.

Adaptando-se às novas medidas da DGS, o espetáculo “Deixem o Pimba em Paz” agendado para o dia 01 de maio no Coliseu de...

Publicado por Força de Produção em Sábado, 27 de março de 2021

2. O mundo pelos olhos da fotógrafa Vivian Maier

Vivian Maier (1926-2009) foi uma ama americana que viveu sobretudo entre Nova Iorque e Chicago. Mas Vivian Maier foi também uma fotógrafa que andava pelas ruas com a sua Rolleiflex pendurada ao pescoço captando imagens de uma beleza improvável. A sua obra só foi descoberta por acaso depois da sua morte. Maier deixou caixas cheias de provas de contacto e rolos por revelar - como se, depois de fotografar, não lhe interessasse ver o resultado, muito menos mostrá-lo ao mundo. Provavelmente nunca saberemos o que ela pensava. Mas podemos deliciar-nos com as fotografias, quase todas as preto e branco, que ela tirou. E descobrir não só uma das mais extraordinárias street photographers como uma especialista em selfies, muito antes de elas estarem na moda.

A exposição “Vivian Maier: Street Photographer” pode ser visitada no Centro Cultural de Cascais até 18 de maio.

Já tínhamos saudades!

VIVIAN MAIER: STREET PHOTOGRAPHER

Terça a Sexta, das 10h às 18h e até às 13h ao fim-de-semana.

Publicado por Fundação Dom Luís I em Terça-feira, 6 de abril de 2021

3. Um espetáculo de abril: “Catarina ou a Beleza de Matar Fascistas”

A peça, escrita e encenada por Tiago Rodrigues, inspira-se na figura de Catarina Eufémia, a ceifeira alentejana que, a 19 de maio de 1954, durante uma greve de trabalhadoras que pediam um aumento salarial, foi assassinada por um elemento da GNR com três tiros. Na altura, tinha apenas 26 anos. Mas em vez de se centrar em Catarina Eufémia, o espetáculo transporta-nos para o presente (e até para o futuro) e pergunta-nos se será legítimo usar a violência para combater o fascimo e o que poderemos nós fazer para impedir os fascistas de chegarem ao poder. Qualquer semelhança com a realidade não é pura coincidência. As interpretações são de, entre outros, António Fonseca, Isabel Abreu, Pedro Gil e Sara Barros Leitão.

"Catarina ou a Beleza de Matar Fascistas" está no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, de 19 a 26 de abril.

4. Voltar aos cinemas com "Nomadland - Sobreviver na América”

Após o colapso económico de uma cidade na zona rural de Nevada, nos Estados Unidos, Fern, uma mulher de 60 anos, entra na sua carrinha e parte para a estrada, vivendo à margem da sociedade convencional. Vencedor de diversos prémios desde que estreou no Festival de Veneza do ano passado e grande favorito aos Óscares, “Nomadland - Sobreviver na América” está nomeado em seis categorias, incluindo melhor filme do ano, realização (Chloé Zhao) e atriz (Frances McDormand). 

"Nomadland - Sobreviver na América" estreia nos cinemas a 19 de abril.

5. Mergulhar na obra de Monet, Klimt e Van Gogh

Depois do sucesso no Porto, onde a Immersivus Gallery abriu em novembro, vai agora abrir uma “galeria de arte imersiva” no Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras, em Lisboa. A exposição “Impressive Monet & Brilliant Klimt” inaugura a 20 de abril e convida a um mergulho no universo do pintor francês impressionista Claude Monet e do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt.

Quem ainda não viu, tem até 23 de maio para visitar também a exposição “Meet Vincent Van Gogh”, que está no Terreiro das Missas, em Belém, Lisboa.

6. Uma espécie de festival de música portuguesa

Depois de muitos adiamentos, por causa do estado de emergência, o festival “Santa Casa Portugal ao Vivo” vai finalmente acontecer no Campo Pequeno em Lisboa e na Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota, no Porto. Para desconfinar com música portuguesa, estes são os concertos agendados: 

22 abril - Áurea em Lisboa;

23 de abril - Camané e Mário Laginha em Lisboa;

23 de abril - Rui Veloso no Porto; 

29 de abril - Camané e Mário Laginha no Porto;

7 de maio - The Gift em Lisboa;

8 de maio - The Black Mamba em Lisboa;

14 de maio - Xutos & Pontapés no Porto;

14 de maio - David Carreira em Lisboa;

15 de maio - David Carreira no Porto;

28 de maio - The Black Mamba no Porto.

Na sequência do Estado de Emergência em vigor aprovado pelo Governo, que prevê o confinamento geral, por consequência,...

Publicado por xutos em Terça-feira, 23 de março de 2021

7. O piano é convidado de honra na Gulbenkian

O piano é o convidado principal da programação da musical da Gulbenkian nos próximos meses. O pianista russo Grigory Sokolov reabre a temporada e o Grande Auditório ao público, apresentando-se a solo, nos dias dia 19 e 20 de abril, com um programa constituído por obras de Rachmaninoff. A pianista portuguesa Maria João Pires atua logo a seguir, nos dias 22 e 23 de abril, com a Orquestra Gulbenkian, sob a direção de Trevor Pinnock, para interpretar o 3.º Concerto para piano e orquestra, de Ludwig van Beethoven. A gravação desta obra, com a Sinfónica da Rádio Sueca, regida por Daniel Harding, valeu à pianista o Prémio Gramofone, em 2015. Serão ainda interpretadas as Sinfonias n.º 31 e n.º 39, de Mozart. 

Concertos em abril e maio na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa

8. Samuel Úria apresenta as “Canções do Pós-Guerra”

O cantautor Samuel Úria está de volta aos concertos para apresentar os temas do seu mais recente disco, “Canções do Pós-Guerra”, que foi editado em setembro. No palco, o músico de Tondela promete pegar ainda em algumas canções antigas e outras que foi compondo para outras vozes. Voz e guitarra são as suas armas.

Concertos a 3 e 4 de maio no Teatro Maria Matos, Lisboa, e 7 de maio no Auditório CCOP, no Porto

9. As aranhas de Louise Bourgeois em Serralves 

Uma aranha gigante invadiu o jardim de Serralves. Nada temam: a aranha chama-se “Maman” e foi criada por Louise Bourgeois, a artista franco-americana que se tornou conhecida pelas suas esculturas e instalações, entre as quais as muitas “aranhas”, maiores ou mais pequenas. A família (e a relação com a mãe e com o pai), a casa e o universo doméstico, o corpo e a sexualidade são alguns dos temas recorrentes de Louise Bourgeois, de quem poderemos ver 32 obras em diversos materiais, entre desenhos, esculturas, instalações, têxteis e textos.

A exposição “Louise Bourgeois - Deslaçar um tormento” está no Museu de Serralves, no Porto, até 20 de junho.

10. Anthony Hopkins brilha em “O Pai”

Se tudo correr bem, quando este filme chegar às salas portuguesas já Anthony Hopkins terá ganho o Óscar de Melhor Ator (o segundo da sua carreira) com a magnífica interpretação em “O Pai”, o filme de Florian Zeller - que se estreia em grande na realização de uma longa-metragem depois de uma carreira sólida como dramaturgo. “O Pai” é um homem que envelhece e começa a sofrer de Alzheimer. A sua cabeça está cada vez mais confusa, perde a noção do tempo e deixa até de reconhecer a sua filha. Ora é irascível, ora tem tiradas de humor. Acompanhamo-lo, com um nó na garganta, à medida que se torna cada vez mais ausente. 

Estreia nos cinemas a 6 de maio.

Maria João Caetano