O concurso da PSP para formação de agentes deixou vagos cerca de 200 lugares dos mil disponíveis, algo que, para o Sindicato Independente dos Agentes de Polícia (SIAP), é inédito, preocupante e deve merecer reflexão.

De acordo com um comunicado do SIAP divulgado nesta sexta-feira, a listagem de candidatos aprovados ao curso de formação de agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) contabiliza apenas 793 candidatos aprovados para mil vagas disponíveis.

Pela primeira vez num concurso da PSP, as vagas previstas não são preenchidas. Isto deverá ser motivo de uma preocupação e de reflexão por parte do MAI [Ministério da Administração Interna] e da própria DNPSP [Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública], bem como por parte dos restantes decisores políticos. Para a PSP certamente hoje é um dia triste, bem como para todos os que são policias. Para um país como Portugal, que precisa de manter uma imagem de país seguro, estes números e esta realidade é deveras preocupante”, defende o SIAP.

“Diversas vezes mostramos claramente que há que tomar medidas urgentes para tornar novamente a carreira policial aliciante”, refere o sindicato no comunicado, defendendo, dirigindo-se ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que “não basta abrir concursos e fazer promessas”, lembrando ainda que endereçou aos grupos parlamentares propostas no âmbito do Orçamento do Estado para 2021.

/ CM