A Conferência Episcopal Portuguesa anunciou esta quinta-feira a criação de uma comissão para investigar a questão dos abusos sexuais em Portugal. 

A decisão surge depois de uma reunião que decorreu entre os dias 8 e 11 de novembro, em Fátima, com a Assembleia a criar uma "comissão nacional para reforçar e alargar o atendimento dos casos e fazer o estudo em ordem ao apuramento histórico desta grave questão".

Foi, para isso, constituído um "ponto de escuta constituída por leigos em várias áreas do Direito, Psiquiatria e Psicologia".

A Igreja continua a enfrentar esta questão com seriedade, quer quanto ao apoio e acolhimento das vítimas, quer quanto à prevenção e formação", afirmou o padre Manuel Barbosa, secretário da Conferência Episcopal Portuguesa.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, José Ornelas, disse no final da reunião que os bispos não receiam a investigação sobre abusos sexuais na Igreja.

Temos muita pena e custa-nos muito tratar estas coisas [abusos sexuais], como qualquer família que tratasse de um problema destes, mas não temos medo e temos todo o interesse em esclarecer tudo isto”, afirmou José Ornelas na conferência, após o encerramento da Assembleia Plenária".

A decisão surge pouco mais de um mês depois de a Igreja Católica francesa ter anunciado os resultados de um relatório relacionado com abusos sexuais, que descobriu 216 mil casos de crimes cometidos por membros do clero nos últimos 70 anos.

Na reação à notícia, o Papa Francisco considerou estes crimes "uma vergonha".

Veja também:

António Guimarães