O secretário de Estado da Saúde indicou esta segunda-feira na conferência de imprensa de atualização do estado da pandemia em Portugal que não existe sobrecarga nos hospitais na região de Lisboa e Vale do Tejo.

O Governo assume ainda que a situação em Lisboa continua a ser aquela que inspira mais cautela por parte das autoridades de saúde, num momento em que se registaram mais 225 infetados e dois mortos nas últimas 24 horas.

Não há sobrecarga e existe capacidade para continuar a dar resposta de uma forma supletiva e complementar às necessidades”, afirmou.

Por outro lado, o secretário de Estado afirma que a taxa de ocupação das unidades de cuidados intensivos é de 66%, "em linha com o resto do país".

Segundo dados avançados pelo secretário de Estado da Saúde, mais de 80% dos profissionais de saúde infetados com Covid-19 recuperaram e estão de novo a trabalhar. Ao todo, 3.143 profissionais de saúde já recuperaram.

São mais de 80% dos que tiveram a doença e estão já de volta aos seus empregos e às suas rotinas e a quem muito agradecemos pelo inestimável trabalho ao serviço do país”, afirmou António Lacerda Sales, durante a conferência de imprensa realizada pela Direção-Geral da Saúde para fazer o balanço da pandemia do novo coronavirus.

A situação nos lares também foi referida pelo secretário de Estado, que garantiu haver agora menos casos ativos registados: “São hoje 213 com situações de Covid-19”, o que representa “8,4% do universo de estruturas residenciais para idosos a nível nacional”.

A conferência de imprensa desta segunda-feira também contou com o Coordenador do Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da Covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo, Rui Portugal, que avançou que a região de Lisboa e Vale do Tejo vai receber um reforço de 20 médicos - que já tinha sido anunciado na semana passada.

Está ainda prevista a entrada de mais 10 médicos em função esta semana”. “Adicionalmente está em curso a entrada de cerca de 80 médicos internos provenientes de vários hospitais, em especial para trabalho em tempo parcial. Estão ainda em formação 40 internos.”

Sobre a afluência aos transportes públicos, o secretário de Estado indica que a taxa de ocupação em Lisboa e Vale do Tejo está situada entre os 40 e os 45%, mas afirma que alguns períodos e carreiras registam sobrelotação.

Estamos a estudar soluções acelerando alguma recuperação de material circulante e outro tipo de soluções. Está a haver uma reunião na respetiva tutela sobre esta matéria. Às vezes pensamos que a única medida é mais transportes e não, também e importante perceber quais as medidas de segurança que têm sido tomadas", disse, sublinhando que existem cerca de 700 profissionais a trabalhar na limpeza destes serviços da região.

Mais médicos e equipas que garantam que isolamento é cumprido em Lisboa

A região de Lisboa vai ter mais médicos para mapear os casos de covid-19 e equipas multidisciplinares no terreno, que podem contar com a ajuda da polícia para garantir que os isolamentos são efetuados.

O anúncio das duas medidas foi feito hoje durante a conferência de imprensa pelo secretário de estado da Saúde e pelo coordenador do Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo.

O secretário de estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou o reforço de médicos na zona de Lisboa, numa tentativa de identificar e conter as cadeias de transmissão através do mapeamento de todos os casos ativos no concelho.

Já o coordenador do gabinete regional de intervenção, Rui Portugal, anunciou que hoje começam a ir para o terreno alguma das 12 equipas - em Loures, Odivelas, Amadora, Sintra e Lisboa - que vão tentar garantir que os casos de isolamento definidos pelas autoridades de saude são efetuados.

Estas equipas contam com elementos da proteção civil, segurança social e com "um apoio das forças de segurança, se necessário para que seja efetivado o isolamento", explicou Rui Portugal.

A situação na região de Lisboa e Vale do Tejo “continua a ser a que inspira mais atenção” das autoridades de saúde, por ser a que concentra a grande maioria dos casos diários, lembrou o secretário de estado.

“É tempo de reforço das equipas e da definição de estratégias dirigidas a uma zona do país que tem características diferentes das outras, por isso estamos a fazê-lo”, afirmou o secretário de estado que considera que chegou o “momento do trabalho de terreno”.

Lacerda Sales recordou o reforço dos serviços de saúde pública dos concelhos mais afetados: A juntar aos 20 médicos já anunciados, “prevê-se a entrada em funções de mais dez esta semana”.

“Adicionalmente, está em curso a entrada de cerca de 80 médicos internos em especial para trabalho em tempo parcial”, anunciou ainda Lacerda Sales, acrescentando que “estão ainda em formação cerca de 40 internos”.

Segundo o governante, “este reforço é crucial para o mapeamento e georreferenciação de todos os casos ativos no concelho e freguesia, para que sigamos rapidamente as cadeias de transmissão da região e as possa conter”.

Ter unidades de saúde públicas com capacidade para dar resposta à situação que se vive atualmente foi precisamente um dos pontos salientados por Rui Portugal, que lembrou que este reforço surge numa altura em que os casos de covid continuam a aumentar e em que se aproximam as férias de verão.

"Não chega só a determinação do isolamento, ele tem de ser efetuado",sublinhou.

Por isso, "inicia-se hoje mesmo um conjunto de equipas que vai para o terreno: três equipas no concelho de Loures, uma em Odivelas, duas na Amadora, três equipas em Sintra e três equipas, para já, na cidade de Lisboa.

Portugal regista hoje mais quatro mortes causadas pela covid-19 do que no domingo e mais 266 infetados, cerca de 85% dos quais na Região de Lisboa e Vale do Tejo, divulgou hoje a Direção-Geral da Saúde.  

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS, o número de mortos relacionadas com a covid-19 ascende hoje a 1.568 pessoas enquanto os casos confirmados desde o início da pandemia totalizam 41.912 infetados.

Henrique Magalhães Claudino / Com Lusa