Um doente com insuficiência cardíaca recebeu quinta-feira no Hospital de Santa Cruz, um dispositivo de assistência circulatório interno, conhecido como “coração artificial”. A operação ocorreu três dias após uma primeira intervenção similar realizada em Portugal, no Hospital de Santa Marta, em Lisboa.

Miguel Abecassis, cirurgião cardiotorácico que dirigiu a intervenção no Hospital de Santa Cruz (Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental), disse à agência Lusa que a operação “correu bem”. O doente está a recuperar, apesar das dificuldades de um pós-operatório desta natureza.

O médico começou por esclarecer que este dispositivo, apesar de ser conhecido como tal, não é um verdadeiro coração artificial, pois estes são usados de forma definitiva.

No entanto, em situações como a deste doente, de 71 anos e com um quadro de insuficiência renal e hepática, o dispositivo acaba por funcionar como “de destino”, ou seja, dificilmente será substituído.

É um dispositivo de assistência circulatória interno. Ao contrário dos que temos utilizado até hoje, que são dispositivos de assistência circulatória externos, estes têm a enorme vantagem de, por um lado dar mais liberdade ao doente e, por outro, não ter as complicações dos dispositivos externos”, explicou o cirurgião.

Três horas e meia de cirurgia

Tal como a equipa de José Fragata, que terça-feira anunciou a pioneira implantação em Portugal deste dispositivo, que tinha ocorrido na véspera, a equipa de Santa Cruz deslocou-se a Lausanne, na Suíça, para tomar conhecimento da técnica.

O doente, que recebeu quinta-feira o dispositivo, “sofre de insuficiência cardíaca avançada, com vários internamentos no hospital por essa razão, o último dos quais sete dias antes da implantação, em que havia claramente um quadro de insuficiência renal e hepática em evolução”.

Uma vez que este seria sempre um recetor marginal - se é que alguma vez seria um candidato a transplante, que não é - achámos que era um candidato a este tipo de dispositivos”, adiantou o cirurgião.

A cirurgia durou cerca de três horas e meia e, além da implantação do sistema de apoio circulatório, os cirurgiões tiveram de reconstruir a válvula do lado direito do coração do doente.

Para Miguel Abecassis, a maior dificuldade durante a cirurgia deu-se na correção das alterações de coagulação, devido ao quadro de insuficiência hepática do doente, já que do ponto de vista técnico “não existiu qualquer problema e a bomba funcionou sempre a 100 por cento”.

O doente, que tem “um prognóstico reservado, como todos estes doentes”, tem registado “uma evolução muito positiva nas últimas horas”.

Segundo Miguel Abecassis, existem já outros candidatos a este dispositivo.