O presidente da Câmara de Mora, no distrito de Évora, disse esta quarta-feira ter “conhecimento” de “investigações em curso pelas autoridades policiais” sobre o surto de covid-19 na vila, que admitiu poder resultar de “incúria de alguém”.

Neste momento, daquilo que tenho conhecimento, é que há investigações em curso pelas autoridades policiais, acerca do doente zero”, porque “desconfia-se que pode ter havido aqui incúria de alguém”, disse à agência Lusa o autarca Luís Simão.

O surto da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 pode dever-se a “alguém que não se terá comportado como devia no sentido de se ter percebido mais cedo a origem do surto”, afirmou.

Espero que não se confirme isso, naturalmente. As autoridades estão a investigar”, mas, “se se apurar responsabilidade de alguém, essas pessoas devem ser severamente responsabilizadas”, defendeu.

Contactada pela Lusa sobre se o Ministério Público estaria a investigar a origem do surto da doença em Mora, a Procuradoria-Geral da República (PGR) respondeu que não existe qualquer “inquérito relacionado com a matéria”.

Já o Comando Territorial de Évora da GNR disse à Lusa que “não existe nenhuma ocorrência registada relacionada com a origem do surto em Mora”, não tendo sido “apresentada qualquer denúncia por parte de uma pessoa singular ou de uma entidade”.

No entanto, no que respeita a Mora, “a GNR continua a efetuar diligências no sentido de apurar pessoas que eventualmente possam ter desrespeitado ou estejam a desrespeitar as normas em vigor estabelecidas pela Direção-Geral da Saúde”, vincou a fonte.

Tal como já havia indicado de manhã, de acordo com os dados de que dispõe da Autoridade de Saúde local, o presidente da câmara municipal reiterou ter conhecimento, até meio da tarde, de 48 pessoas infetadas com covid-19 em Mora.

Contudo, na conferência de imprensa desta tarde para a atualização da pandemia em Portugal, realizada em Lisboa, a ministra da Saúde, Marta Temido, indicou existirem 49 pessoas com covid-19 neste concelho alentejano do distrito de Évora.

Nas declarações à agência Lusa, o autarca de Mora alertou, por outro lado, que a corporação dos bombeiros voluntários locais já só tem equipamento “para mais uma semana” para lidar com este surto de covid-19 e solicitou o apoio de outras entidades, como a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo ou o Governo.

O município já está a tomar medidas para tentar “reforçar os equipamentos que eles têm disponíveis”, mas, “nesta situação, deverá haver aqui entidades, da ARS, do Governo, não sei de onde, que se devem chegar à frente também”, defendeu.

O objetivo é que “os bombeiros tenham tudo aquilo de que necessitem para que consigam trabalhar em condições normais dentro desta anormalidade”, ou seja, da situação vivida devido ao surto de covid-19, vincou o autarca.

Luís Simão indicou que é necessário mais Equipamento de Proteção Individual (EPI), nomeadamente “máscaras, batas, luvas, tudo”.

Cinco das pessoas de Mora infetadas com a doença, todos homens, estão internadas no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), três deles nos cuidados intensivos.

O surto em Mora surgiu no dia 9 deste mês, quando foram confirmados os primeiros três casos positivos na comunidade.

A câmara ativou o Plano Municipal de Emergência e fechou os serviços de atendimento ao público e outros equipamentos, estando também encerrados cafés, restaurantes e mais estabelecimentos, ao mesmo tempo que a população está confinada em casa.

/ HCL