Portugal apresenta ao longo das últimas duas semanas uma descida constante dos números diários de covid-19. Para o presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, isso é uma boa notícia, mas não significa que as medidas atualmente adotas possam ser descuradas.

Ainda não temos condições que nos permitam voltar a uma vida normal", referiu Ricardo Mexia.

Para Ricardo Mexia, é fundamental que seja planeada a retoma das mais variadas atividades, mas pede que esse planeamento seja pensado e realizado de forma gradual.

Apesar disso, as regras de saúde pública como a utilização de máscara, higienização das mãos ou o distanciamento físico devem ser mantidos.

Questionado sobre a possibilidade de desconfinar mais cedo que o previsto, sendo que o Governo admitiu a manutenção das atuais restrições até meio de março, Ricardo Mexia entende que essa avaliação deve ser dinâmica, assente na evolução dos números.

Penso que a resposta tem de ser adequada a essa evolução", explicou.

O especialista lembra a atual realidade de internamentos, defendendo uma maior descida dos números para começar um levantamento gradual das restrições em prática.

Sobre a importância da variante britânica, que já causa perto de metade dos novos casos em Portugal, Ricardo Mexia vê essa evolução como natural, ainda que note que houve "uma estabilização".

António Guimarães