O acompanhamento do estado das equipas de trabalho, a limpeza dos estabelecimentos e a avaliação da qualidade do ar são as três iniciativas essenciais definidas pela APHORT para preparar os restaurantes para a reabertura no dia 18.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, a APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo refere que, para preparar os restaurantes para a reabertura, elaborou um guia de boas práticas, exclusivamente direcionado aos estabelecimentos de restauração e bebidas.

Neste contexto, na primeira fase de preparação para a reabertura, a APHORT definiu “três passos essenciais, que os estabelecimentos devem começar a implementar desde já”, sendo o primeiro “fazer um acompanhamento do estado atual das equipas de trabalho, de forma a avaliar a situação e a garantir que estão asseguradas as condições para o seu regresso gradual”.

O segundo consiste em organizar um “Dia XL”, como lhe chama a associação, que consiste num “dia dedicado à grande limpeza e arrumação, durante o qual os proprietários devem percorrer o seu estabelecimento de ponta a ponta, adotando a perspetiva do cliente”, fazer a reorganização do espaço e o reposicionamento do mobiliário, com o objetivo de facilitar a limpeza e a circulação de pessoas, “terminando com uma limpeza e higienização gerais”.

Por fim, o terceiro passo definido pela APHORT consiste em fazer uma avaliação da qualidade do ar que circula nos estabelecimentos, através da revisão de sistemas de ventilação, ar condicionado e de exaustão.

A associação refere que o seu guia contém ainda um conjunto de outras indicações práticas relacionadas com medidas orientadas para a proteção das equipas de trabalho, para a limpeza e desinfeção dos espaços e para o serviço ao cliente, à luz da nova realidade, marcada pela pandemia de Covid-19.

O cumprimento destas medidas permite assegurar as condições necessárias ao regresso ao trabalho da restauração, mantendo como prioritária a proteção da saúde e segurança dos colaboradores, clientes e demais intervenientes na atividade destes estabelecimentos”, refere a APHORT no comunicado.

Segundo a associação, o guia de boas práticas, que já foi enviado à secretaria de Estado do Turismo, “resultou de um trabalho de auscultação das empresas no terreno e da observação das medidas que estão a ser implementadas internacionalmente”.

A APHORT, com sede no Porto, conta com cerca de 5.000 associados em todo o país.

Segundo o Programa de Estabilidade divulgado na quinta-feira pelo Governo, o comércio a retalho e restauração e alojamento são responsáveis por cerca de metade do impacto negativo de 6,5 pontos percentuais no PIB anual a cada 30 dias úteis de confinamento.

Segundo o documento, 38% das 95 mil empresas candidatas ao procedimento de ‘lay-off’ simplificado até ao dia 27 de abril são empresas de restauração, alojamento e comércio a retalho.

/ RL