As autoridades de saúde da Região Autónoma da Madeira validaram, este sábado, o primeiro caso suspeito de infeção pelo novo coronavírus, indicando que se trata de um doente proveniente de Milão, Itália.

O doente permanecerá em isolamento hospitalar e serão realizadas colheitas de amostras biológicas para análise", refere o Instituto de Administração da Saúde da Madeira (IASAÚDE), em comunicado de imprensa.

O IASAÚDE esclarece que o doente foi encaminhado para o Hospital Central do Funchal, após avaliação clínica e epidemiológica feita pelas autoridades de saúde.

Este comunicado será atualizado assim que seja conhecido o resultado laboratorial", refere.

11 novos casos suspeitos em 24 horas

De acordo com o boletim clínico nacional, emitido às 18:00, Portugal não registava casos confirmados de infeção por coronavírus (COVID-19). Foram registados, até agora, 70 casos suspeitos, 67 dos quais tiveram resultado negativo após testes laboratoriais. Os restantes ainda aguardam resultados.

Em 24 horas, registaram-se 11 novos casos suspeitos, adianta ainda a DGS.

Tendo em conta a situação epidemiológica mundial, é necessário considerar a hipótese da importação de casos de doença de cidadãos provenientes da China ou de outras áreas com transmissão comunitária ativa", adianta a DGS em comunicado enviado às redações.

De acordo com a informação atual, o risco para a saúde pública em Portugal é considerado moderado a elevado", acrescenta.

O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou pelo menos 2.933 mortos e infetou mais de 85 mil pessoas, de acordo com dados reportados por 57 países e territórios.

Das pessoas infetadas, mais de 36 mil recuperaram.

Além de mais de 2.700 mortos na China, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan.

Dois portugueses tripulantes de um navio de cruzeiros encontram-se hospitalizados no Japão com confirmação de infeção.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para "muito elevado".

/ MM