O número de camas em unidades de cuidados intensivos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou 35% entre março e 2 de maio, revela o relatório sobre o terceiro período do estado de emergência.

O documento entregue esta terça-feira na Assembleia da República indica que, em março de 2020, o SNS dispunha de 528 camas em unidade de cuidados intensivos, que passaram para 713 a 2 de maio, representando um aumento de 35% de capacidade instalada.

Em relação ao número de ventiladores com capacidade para utilização no tratamento de Covid-19, o documento avança que, no início do mês de março, foram contabilizados no SNS 1.142 ventiladores, passando, 2 de maio, para 1.814 equipamentos, 74% dos quais invasivos.

Segundo o relatório do terceiro período do estado de emergência, entre 18 de abril e 2 de maio, o reforço da capacidade em número de ventiladores foi feito através de compras efetuadas pela Administração Central do Sistema de Saúde, doações, empréstimos e recuperações de aparelhos.

O documento refere ainda que, desde o dia 1 de março, foram realizados 427.346 testes de diagnóstico ao novo coronavírus, dos quais 37.742 foram positivos (8,8 % do total de testes).

Do total de testes, 426.662 foram realizados nos meses de março e abril, tendo sido o dia 30 de abril a data em que foram realizados mais testes desde o início da pandemia, num total de 15.881 testes, segundo o relatório com dados até 2 de maio, último dia do estado de emergência.

O mesmo documento refere que foi na Administração Regional de Saúde do Norte onde se realizaram mais testes de diagnóstico, um total de 153.336, seguido da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (101.098), Administração Regional de Saúde do Centro (28.228), Administração Regional de Saúde do Algarve(15.024) e Administração Regional de Saúde do Alentejo (5.040).

Nas Regiões Autónomas foram realizados 14.984 na Madeira e 9.984 nos Açores.

Portugal esteve 45 dias em estado de emergência, entre 19 de março e 2 de maio, para fazer face à pandemia Covid-19, estando desde 93 de maio em situação de calamidade.

Em Portugal, há 3.148 profissionais de saúde infetados com o novo coronavírus, responsável por Covid-19, entre os quais 468 médicos e 834 enfermeiros, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

/ AG