Centenas de pessoas contestaram este sábado as medidas impostas pelo Governo para mitigar os efeitos da pandemia de covid-19, com gritos pela “liberdade” e pela “verdade”, numa manifestação realizada na praça do Rossio, em Lisboa.

A mobilização nacional, que reuniu diversos grupos, teve como objetivo marcar uma posição contra várias medidas restritivas que consideram inconstitucionais, incluindo o uso de máscaras obrigatório na rua.

Não é uma questão de ser contra a utilização das máscaras, é ser contra as medidas que, na maior parte dos casos, são completamente descabidas, porque não têm eficácia”, afirmou Gonçalo Martins, um dos responsáveis pela organização da manifestação.

Sem máscaras e sem distanciamento social, os manifestantes empunharam vários cartazes, que diziam, entre outros, “Abaixo a ditadura”, “Máscaras geram desconfiança”, “Promovam saúde em vez de medo” ou “O medo não é a vacina”, enquanto se realizavam discursos num palco montado para o efeito.

As máscaras que são utilizadas não têm eficácia em relação à contenção do vírus. O vírus fica em alguma parte retido na máscara, mas a máscara tem uma abertura de lado. Os óculos ficam embaciados, significa que o vapor de água está a sair-me por cima da máscara. Quando vem o vapor de água, também virá o vírus”, disse o engenheiro do ambiente e técnico de higiene e segurança no trabalho, de 44 anos.

Alegando que o combate à pandemia está a ser tratado “de uma forma tecnicamente pouco coerente e, se calhar, com pouca identificação das realidades que cada um está a proteger com a utilização da máscara”, Gonçalo Martins lamentou também a falta de leitura de linguagem corporal na comunicação interpessoal, por não conseguir ver as bocas.

Questionado sobre a possibilidade de ocorrer um surto de covid-19 entre os integrantes da manifestação, o manifestante negou o risco da transmissão.

Tendo em conta os dados que foram analisados e estão disponíveis, só uma pequena percentagem poderá, eventualmente, precisar de tratamento hospitalar e ainda uma mais pequena de tratamento em unidades de cuidados intensivos. A probabilidade que existe de alguém aqui contrair a doença é muito baixa”, expressou.

No manifesto divulgado, o grupo “Verdade Inconveniente” pede, além do “uso facultativo de máscaras”, a revisão das “orientações para o ano escolar” e do “excesso de protecionismo nos lares e centros de acolhimento”, bem como a “regularização dos serviços no Sistema Nacional de Saúde” e a “revogação do estado de calamidade”, entre outras medidas.

O parlamento aprovou na sexta-feira, em votação final global, um projeto-lei do PSD que impõe o uso obrigatório de máscara em espaços públicos e que prevê coimas entre 100 e 500 euros para os incumpridores.

O diploma do PSD, que teve como inspiração uma proposta de lei do Governo, entretanto “desagendada”, foi votado na generalidade, especialidade e final global e, na última votação, teve votos contra da IL, abstenções de BE, PCP, Verdes e da deputada Joacine Katar Moreira, contando com voto favorável das restantes bancadas. O deputado único do Chega esteve ausente da votação.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 42,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.297 pessoas dos 116.109 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ AG