O Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), composto pelos hospitais de de Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso, tem uma taxa de ocupação de cerca de 100% em termos de “enfermaria covid-19”, revelou esta terça-feira a administração.

Em resposta escrita enviada à Lusa, a administração revelou que o número de camas para doentes covid-19 tem vindo a ser alargada, tendo recomeçado, no início da chamada segunda vaga, com 10, subindo para 15, depois para 28 e atualmente para 58.

“Preparamo-nos para alargar um pouco mais”, referiu a administração, explicando que vai alargando a área dedicada a doentes respiratórios (ADR) “conforme as necessidades”.

O número de casos ativos de infeção pelo novo coronavírus teve 17% de aumento percentual em Famalicão numa semana, segundo relatórios da Direção-Geral da Saúde, referentes aos últimos dias.

O concelho de Famalicão, entre o dia 19 de outubro e segunda-feira, registou 174 novos casos covid-19, subindo de 1.021 para 1.195.

No entanto, o Hospital de Famalicão ainda não transferiu doentes para outros hospitais.

Está prevista para breve, uma ADR nova no Serviço de Urgência Médico-Cirúrgico.

As visitas estão suspensas, com exceções avaliadas caso a caso.

A cirurgia programada de internamento foi reduzida temporariamente a casos prioritários.

Hospital de Braga com 75% das camas ocupadas

O Hospital de Braga tem uma taxa de ocupação de 75% das camas atualmente disponíveis para doentes covid-19, anunciou hoje a administração daquela unidade à Lusa.

Numa resposta escrita, o Hospital de Braga revelou à Lusa que tem atualmente internados em enfermaria 42 doentes infetados com o novo coronavírus, 18 dos quais transferidos dos Centro Hospitalar Tâmega e Sousa.

Nos cuidados intensivos do Hospital de Braga há sete doentes com covid-19 e foi já ativado o nível 2 do Plano de Contingência.

“A atividade assistencial programada não foi, até ao momento, afetada”, refere ainda a administração.

As visitas estão suspensas desde o início da pandemia.

A administração sublinhou que o número de camas reservadas para doentes infetados pelo vírus SARS-CoV-2 “será reajustado sempre que a situação epidemiológica assim o justifique”.

“Caso seja necessário, em enfermaria, as camas reservadas para a covid podem ultrapassar a centena e meia e em UCIP (Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente) podem ultrapassar as 40”, acrescentou.

O número de casos ativos de infeção pelo novo coronavírus teve 12,6% de aumento percentual em Braga numa semana, segundo relatórios da Direção-Geral da Saúde.

O concelho de Braga, entre dia 19 de outubro e segunda-feira, registou 230 novos casos, passando de 1.819 para 2.049 infeções ativas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ RL